Gengibre: você sabia que ele pode ajudar na perda de peso?

O gengibre auxilia na perda de peso, tem função anti-inflamatória e ainda contribui com a saúde do trato intestinal. Saiba mais!

None
Foto: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 12/12/2016 às 13:39
Atualizado às 12:15

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Com certeza você já ouviu dizer que o gengibre é um ótimo remédio natural contra náusea, cólicas, gases, dor de garganta, entre outros problemas. Mas você sabia que ele também é um ótimo aliado da perda de peso? Esse alimento possui diversos benefícios e, por isso, não deve ser deixado de lado por quem busca um organismo equilibrado e uma silhueta fininha. Conheça outros pontos positivos desse ingrediente milagroso!

Foto de um gengibre

Foto: Shutterstock

Derrete gordura

Um alimento é considerado termogênico quando ajuda o corpo a queimar calorias armazenadas em forma de gordura, e o gengibre é um deles. “Quando ingerimos calorias, elas são usadas para a produção de energia celular e produção de calor, indispensável para qualquer função do corpo – andar, correr, dormir ou meditar. Alguns alimentos têm substâncias que ajudam a aumentar a temperatura do corpo, provocando uma aceleração do metabolismo”, explica Tamara Mazaracki, médica nutróloga e ortomolecular.

Segundo a profissional, quanto maior a capacidade de produzir calor, mais calorias são gastas na dissipação desse calor. “No nosso cérebro, temos um vigia atento, o hipotálamo, uma glândula que monitora a quantidade de calorias ingeridas. Quando há um número superior ao necessário, ele envia um ‘recado’ para que o excesso seja queimado. Se o processo de termogênese funciona bem, em vez de armazenar gordura, seu corpo produzirá calor”, completa Tamara. Portanto, se a termogênese estiver aliada a uma dieta equilibrada e à prática regular de atividade física, o emagrecimento será muito mais fácil.

Metabolismo acelerado

Estudos apontam que o gengibre é um agente termogênico que pode ajudar a queimar gordura. Pesquisadores da Universidade de Maastricht, na Holanda, compararam o efeito do ingrediente ao da cafeína. Os estudiosos constataram que a raiz pode aumentar a taxa metabólica do corpo e é recomendada para o tratamento da obesidade. Além disso, existem relatos de que o gengibre pode acelerar o metabolismo em até 20%, auxiliando na queima de gordura armazenada no corpo. “Isso não só se traduz em perda de peso, mas também pode ajudar a reduzir os níveis de colesterol e triglicérides”, esclarece Tamara.

Além disso, o gengibre também atua na saciedade, como descoberto em um estudo publicado em 2012 na revista Metabolism, feito na Universidade de Columbia. A pesquisa foi feita com dez homens adultos saudáveis, mas com excesso de peso. Eles tomaram chá de gengibre (preparado com 2g de pó de gengibre seco) no café da manhã em dias alternados. Os pesquisadores monitoraram a sensação de fome durante o dia, com ou sem o chá, e também as calorias queimadas. A conclusão foi que o gengibre teve um efeito significativo sobre a sensação de saciedade. “Suprindo o apetite, o uso do gengibre é uma maneira eficaz de evitar a ingestão de mais calorias, o que contribui para a perda de peso”, sugere a profissional.

Organismo sob controle

O poder do gengibre é devido a algumas substâncias presentes no alimento, que agem em receptores celulares promovendo os efeitos benéficos. “Ele é constituído de compostos fenólicos (gingerol e chogaol), menoterpenos (cineol e citral) e sesquiterpenos (zingibereno e bisaboleno) presentes no óleo essencial”, lista a nutróloga. Além disso, contém sais minerais, como cálcio, fósforo, ferro, magnésio e potássio, e vitaminas, como tiamina, riboflavina e niacina.

Uma das funções medicinais do gengibre é proteger o estômago, e isso ocorre devido aos óleos essenciais presentes em sua composição. “O gengibre melhora a digestão, pois regula o pH do estômago e a produção de enzimas digestivas, e também estimula a motilidade gastrointestinal”, alega Tamara. Segundo a especialista, a combinação desses dois efeitos (melhor digestão e motilidade) permite que nutrientes essenciais sejam absorvidos rapidamente, enquanto as toxinas que causam inchaço e prisão de ventre são excretadas.

Consultoria: Tamara Mazaracki, médica nutróloga e ortomolecular, do Rio de Janeiro, www.tamaramazaracki.med.br
Texto: Juliana Borges/Colaboradora

LEIA TAMBÉM

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.