ESTILO DE VIDA

As diversas formas de se recuperar da depressão

De acompanhamento psiquiátrico a atividades físicas, conheça as possibilidades para sair desse difícil momento que é a depressão.

None
FOTO: iStock.com/Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 30/08/2016 às 18:54
Atualizado às 20:59

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Caso o diagnóstico da depressão tenha sido efetuado, é importante, primeiro de tudo, que a pessoa esteja cercada de apoio de familiares e amigos. O interessante é que existe não apenas uma, mas várias luzes no fim do túnel. Há uma lista de possibilidades que podem dar uma força para sair dessa. Conheça algumas delas:

Acompanhamento psiquiátrico

“Trata-se dos médicos especializados nas doenças emocionais e mentais, que podem ajudar de forma adequada a recuperação da pessoa doente”, indica a psiquiatra Maria Cristina De Stefano.

São esses profissionais que receitam antidepressivos, que talvez sejam necessários por um tempo para diminuir os sintomas mais graves e dar um alívio ao sofrimento.

Prática esportiva

Todo mundo conhece os inúmeros benefícios dos esportes para a saúde do corpo e o bem-estar. Para pessoas num quadro depressivo, essas atividades estão mais do que recomendadas. “A endorfina, produzida pela hipófise e que promove no organismo efeito de bem-estar, melhora do humor e alegria, é liberada após atividades físicas”, explica o ortopedista e especialista em medicina esportiva, Mauro Olívio Martinelli.

Atividades físicas depressão

FOTO: iStock.com/Getty Images

O profissional também destaca que, como as pessoas que se encontram nesse quadro geralmente estão paradas e sedentárias, a dica é começar com atividades leves e progressivamente ir aumentando — sempre, é claro, com acompanhamento profissional.

Psicoterapia

“A psicoterapia, independente da linha terapêutica, tem sido fundamental na busca pelo autoconhecimento”, destaca o psiquiatra Sérgio Lima. Assim, a associação desse método com tratamento medicamentoso pode ser muito mais eficaz na luta contra a depressão.

Musicoterapia

A especialista Maria Isabel da Penha Sinegaglia esclarece que a musicoterapia atua de forma efetiva na depressão. “O método trata as causas emocionais com sonoridades específicas para cada indivíduo, e as causas fisiológicas são tratadas com sonoridades que promovem o aumento da oxigenação no sangue — e, como resultado, auxiliam para uma maior oxigenação cerebral”, explica.

Acupuntura

De acordo com o acupunturista Rubenildo Coutinho, a acupuntura pode colaborar de duas formas no tratamento da depressão.

“Há o mecanismo energético, no qual se promove o equilíbrio dos canais por onde a energia do corpo transcorre, e o fisiológico, que se constitui na liberação de substâncias analgésicas, anti-inflamatórias, relaxante muscular, e também uma ação moduladora sobre as emoções e distúrbios emocionais”, indica o profissional. Tal ação auxilia contra a depressão e a ansiedade porque estimula a produção dos hormônios da alegria e do bem-estar (serotonina e endorfina).
Veja mais:

Como o funcionamento do cérebro influencia a depressão?

Depressão envolve falha em processos do cérebro

Meditação e prática esportiva: aliados contra a depressão

Texto: Victor Santos – Entrevistas: Andrey Seisdedos/Colaborador, Natália Negretti e Ricardo Piccinato – Edição: Augusto Biason/Colaborador

Consultorias: Alex Machado, professor do curso de psicologia da Faculdade Pitágoras, de Linhares (ES); Aristides Brito, neurocientista, coach e diretor da Marca Pessoal Treinamentos, Hermínio Meneguzzi Júnior, professor do curso de Psicologia da Faculdade Pitágoras, de Linhares (ES); Maria Cristina De Stefano, psiquiatra; Maria Isabel da Penha Sinegaglia, musicoterapeuta do Instituto MATOBA, em Osasco (SP); Mauro Olívio Martinelli, ortopedista e especialista em medicina esportiva do Centro de Qualidade de Vida, em São Paulo (SP); Rubenildo Coutinho, acupunturista do Centro Multidisciplinar Fluminense, no Rio de Janeiro (RJ); Sérgio Lima, psiquiatra e diretor da Clínica Spatium, em São Paulo (SP).