Criança de 6 anos embarcou no voo errado por erro de companhia aérea

Criança de 6 anos embarcou no voo errado por erro de companhia aérea
Avaliação 1 - Votos 1

O professor Wanderson Romão passou por momentos de desespero no último fim de semana, quando seu filho de seis anos embarcou no voo errado pela companhia aérea Gol Linhas Aéreas. Entenda o caso:

Como uma criança de 6 anos embarcou no voo errado

Wanderson Romão é um pai divorciado que vive em Vitória, no Espírito Santo, enquanto seu filho de seis anos mora com a mãe no Rio de Janeiro. No dia 02 de dezembro, a criança embarcou no Aeroporto Internacional Tom Jobim (RJ), conhecido como Galeão, com destino ao Aeroporto de Vitória – Eurico de Aguiar Salles, no Espírito Santo.

Uma confusão feita pela companhia aérea Gol Linhas Aéreas fez com que a criança fosse parar em Curitiba. O caso é um dos assuntos mais comentados das redes sociais por conta da postagem que Wanderson fez em seu Facebook, intitulada de ” Gol: Meu filho não é mala para ser extraviado”.

De acordo com o relato, a mãe do menino deixou o filho com uma comissária de bordo da Gol, onde ele deveria embarcar às 17 horas e chegar às 18 no Aeroporto de Vitória. Mas, quando o voo chegou ao seu destino final e Wanderson Romão percebeu que a criança não estava entre os passageiros, ele acionou a Polícia Federal, que constatou que o menino não tinha sequer embarcado.

Depois de uma hora desaparecida, a criança foi encontrada no aeroporto de Curitiba. A Gol Linhas Aéreas se prontificou a trazer o menino de volta, mas somente com um voo com conexão no Rio de Janeiro, que seguiria para Vitória. Os pais da criança preferiram que ele ficasse diretamente no Rio de Janeiro, para evitar outra confusão.

Critérios para menores viajarem de avião desacompanhados dos responsáveis

De acordo com o Portal Brasil, do Ministério do Turismo, para viajar desacompanhada de seus pais, uma criança menor de idade precisa de autorização da Vara da Infância e da Juventude, expedida para o trecho específico com antecedência.

No caso do filho de Wanderson Romão, a criança tinha autorização somente para visitar o pai em Vitória, não poderia seguir para outro estado de avião. Além disso, o professor pagou uma taxa extra de R$100,00 à Gol Linhas Aéreas para ter um funcionário que acompanhasse a criança durante todo o percurso.

A repercussão do caso

O post com o relato de Wanderson Romão já foi compartilhado quase meio milhão de vezes no Facebook. Leia o texto completo:

O pronunciamento da Gol Linhas Aéreas

A empresa se pronunciou através de vídeo, com um relato do Vice-Presidente de Operações, Sérgio Quito e explicou como uma criança de 6 anos embarcou no voo errado. Confira:

LEIA TAMBÉM