ESTILO DE VIDA

Você sabia que existe cérebro masculino e feminino? Entenda!

Algumas características do cérebro podem fazer com que ele seja masculino ou feminino

None
Foto: iStock.com/Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 27/10/2016 às 10:58
Atualizado às 14:43

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Não, o assunto não tem nada a ver com orientação ou identidade sexual. Independentemente do sexo biológico de uma pessoa, o cérebro humano pode ser classificado como feminino ou masculino. Isso quer dizer que um homem pode ter um cérebro feminino e vice-versa? Sim. Mas não significa que ele pense como mulher, que sinta atração por homens ou algo do tipo.

cérebro

Foto: iStock.com/Getty Images

A importância dos neurônios

A partir de muitas pesquisas, cientistas detectaram que o cérebro pode apresentar características femininas ou masculinas. A diferença neurológica acaba interferindo nos comportamentos, sentimentos e modos de pensar dos indivíduos. Por exemplo: a capacidade de fazer muitas coisas ao mesmo tempo é classificada como uma característica feminina. No entanto, um homem também pode dominar essa habilidade, ou seja, a sexualidade cerebral não tem ligação direta com o sexo do corpo.

O sexo do cérebro

De acordo com a neuropsicóloga Anne Moir, da Universidade de Oxford, na Inglaterra, o sexo do cérebro é determinado pela quantidade do hormônio masculino testosterona presente nele. Ainda feto, com a exposição a essa substância no útero, de maneira geral, bebês de sexo masculinos recebem doses maiores do que as mulheres. O motivo desta variação entre cada indivíduo ainda é desconhecido pela ciência. “Hoje em dia, sabemos que os hormônios sexuais exercem sobre o cérebro influências que vão além da mera regulação hormonal sexual. Eles contribuem em várias capacidades cognitivas como orientação espacial, memória, aprendizado, atenção, cálculo, estratégias de tomada de decisão e também modificam o comportamento, que nada tem a ver com orientação sexual”, explica a neurologista Vanessa Muller.

LEIA MAIS

Consultoria: Vanessa Muller, neurologista