#Eu Vivi Um Relacionamento Abusivo: hashtag denuncia agressões

A cada sete minutos, uma mulher sofre algum tipo de agressão no Brasil. Essa realidade levanta, nas redes sociais, a tag "Eu Vivi Um Relacionamento Abusivo"

None
Foto: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 09/09/2016 às 13:00
Atualizado às 13:17

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Dez anos após a criação da Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340), muitos avanços no combate à violência contra a mulher foram alcançados, mas a realidade brasileira ainda continua precária. O Brasil tem, em média, 4,8 homicídios por cada 100 mil mulheres, a quinta maior do mundo, conforme o estudo Mapa da Violência 2015, elaborado pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso) em parceria com a OMS (Organização Mundial da Saúde), aplicado a um grupo de 83 países. Isso representa um caso de violência a cada sete minutos, no Brasil. A pesquisa ainda revelou que 50,3% das mortes violentas de mulheres são cometidas por familiares e 33,2% por parceiros ou ex-parceiros. São retratos como esses que mobilizam a sociedade e movimentam a internet, gerando manifestações como a hashtag Eu Vivi Um Relacionamento Abusivo, em destaquena internet.

#EuViviUmRelacionamentoAbusivo

#EuViviUmRelacionamentoAbusivo mostra realidade das mulheres que sofreram agressão – Foto: Shutterstock

Eu Vivi Um Relacionamento Abusivo

A ideia da hashtag Eu Vivi Um Relacionamento Abusivo é ajudar na denúncia de casos de violência à mulher e reunir depoimentos para demostrar que agressores não passarão mais impunes.

Veja alguns depoimentos postados com a hashtag no Twitter:

30 sinais de que você corre risco dentro de casa

#EuViviUmRelacionamentoAbusivo

A hashtag Eu Vivi Um Relacionamento Abusivo vem unindo mulheres de todo o Brasil – Foto: Shutterstock

1) A mulher sente, intuitivamente, que está em perigo;

2) No início do relacionamento, o homem fala de assuntos como morar junto e casamento, tentando apressar demais a parceira;

3) Ele resolve os problemas com violência;

4) É verbalmente abusivo;

5) Usa ameaças e intimidação como instrumentos de controle. Isso inclui ameaçar machucá-la fisicamente, envergonhá-la, restringir sua liberdade, contar seus segredos, parar de apoiá-la, abandoná-la e até ameaçar cometer suicídio;

6) Ele quebra ou estraga coisas quando está com raiva. Usa violência simbólica, como rasgar uma foto do casamento;

7) Foi agressivo em relacionamentos anteriores;

8) Ele bebe ou usa outras drogas com efeitos como perda de memória, hostilidade, crueldade etc;

9) Ele cita a bebida ou as drogas como uma explicação ou desculpa para sua conduta violenta ou hostil (“aquilo era a bebida falando, não eu” ou “fiquei tão bêbado que enlouqueci”);

10) O passado dele inclui passagens policiais por ofensas comportamentais, como vandalismo;

11) Quando já houver mais de um incidente de comportamento violento, com o vandalismo e jogar coisas;

12) Ele usa dinheiro para controlar as atividades, compras e comportamento da parceira;

13) Tem ciúme de qualquer pessoa ou coisa que ocupe o tempo que ela poderia estar dedicando ao relacionamento. Mantém a mulher em “rédeas curtas” e a obriga a explicar sobre como gasta seu tempo;

14) Se recusa a aceitar a rejeição;

15) Espera que o romance dure para sempre. Usa frases como “juntos por toda a vida”, “sempre”, “não importa o que aconteça”;

16) Ele projeta emoções extremas em terceiros (amor, ódio, ciúme, comprometimento), mesmo quando não há evidência alguma que levaria a pessoa a percebê-las;

17) Ele minimiza incidentes de abuso e violência;

18) Gasta uma quantidade de tempo anormal falando de sua mulher e tira muito de sua identidade como marido ou namorado;

19) Caso o relacionamento tenha acabado, tenta recrutar os amigos e a família da mulher para convencê-la a voltar;

20) Ele vigia ou persegue a mulher em todos os lugares;

21) Acredita que as pessoas em volta dela não gostam dele e a encorajam a largá-lo;

22) Ele é resistente a mudanças e é inflexível, sem vontade de se ajustar a novas situações;

23) Se identifica ou se compara com pessoas violentas em filmes. Encontra justificativas para a violência dos outros;

24) Sofre mudanças de humor ou é carrancudo, bravo ou deprimido;

25) Constantemente culpa os outros por problemas que ele mesmo criou; se recusa a assumir as consequências de seus atos;

26) Ele se refere a armas como instrumentos de poder, controle ou vingança;

27) Armas são parte de sua personalidade; ele tem uma, ou brinca, conversa e/ou lê sobre armas, ou as coleciona;

28) Ele usa o fato de ser homem como uma justificativa para sua conduta: ameaça-a, toma todas as grandes decisões, age como o dono da casa etc;

29) Sofreu ou testemunhou violência quando criança;

30) A mulher teme que ele vá machucar ou matá-la. Ela conversa sobre isso com outras pessoas ou fez planos a serem executados no caso de sua morte (por exemplo, designar alguém para cuidar das crianças).

Consultoria: Robert Martin, especialista em segurança e prevenção de ameaças
Texto: Vitor Ferreira/Melissa Marques

LEIA TAMBÉM

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.