Estresse pode influenciar no desenvolvimento do Alzheimer

O estresse pode desencadear diversos problemas de saúde, como a ansiedade, mas sabia que ficar estressado tem relação com o desenvolvimento do Alzheimer?

None
Os sintomas que colocam a pessoa em situações de instabilidade são prejudiciais, pois destacam a falta de controle emocional. FOTO: Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 12/12/2016 às 09:39
Atualizado às 12:56

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Há diversos estudos que indicam uma grande relação entre o envelhecimento, o estresse oxidativo e o desenvolvimento da doença de Alzheimer.

O estresse oxidativo decorre do excesso de radicais livres nas células, que se dá pelo desequilíbrio entre a formação desses radicais e a capacidade do arsenal de enzimas antioxidantes para neutralizá-los — um processo natural do nosso organismo, mas que, quando está em desequilíbrio, prejudica a saúde. Os radicais livres são subprodutos do metabolismo capazes de oxidar diversas biomoléculas, enquanto que as enzimas antioxidantes formam um sistema de segurança e evitam danos celulares.

mulher ruiva pensando nervosa estresse

FOTO: Shutterstock.com

Assim sendo, é essencial que se tente controlar o estresse, levando uma vida mais calma. É claro que a rotina frenética atual, com mil compromissos e responsabilidades, não colabora para momentos de tranquilidade, porém, parar alguns minutos para respirar e fazer atividades que lhe deem prazer já é um ótimo começo em busca da serenidade.

Predisposição além do estresse

Levar uma vida saudável ajuda (e muito!) a afastar o surgimento do Alzheimer. No entanto, há pessoas com pré-disposição para a doença. Um dos aspectos dessa condição genética é mais geral, quando há a presença de vários genes que aumentam o risco de desenvolver Alzheimer, porém, a presença de tais genes não indica que a doença vai de fato acontecer.

Outro aspecto genético é o familiar, porém, bem mais raro. “As mutações identificadas até agora são autossômicas dominantes, isto é, sua presença indica 100% de chance de ter Alzheimer, e tipicamente esta vai iniciar mais precocemente”, afirma o neurologista Paulo Bertolucci.

Esse tipo de caso é retratado no filme Para Sempre Alice (2015) em que a protagonista é diagnosticada com Alzheimer precoce, o que a faz descobrir sua condição genética de predisposição e possível herança para os filhos.

A ciência já conseguiu encontrar ainda genes “anti-Alzheimer”, isto é, protetores da doença. Contudo, não são garantias de que o indivíduo jamais desenvolverá a doença.

LEIA TAMBÉM

Texto e entrevista: Natália Negretti/Colaboradora – Edição: Giovane Rocha/Colaborador

Consultoria: Paulo Bertolucci, neurologista