ESTILO DE VIDA

Esquizofrenia e transtorno bipolar: culpa dos anticorpos? Entenda!

Segundo novos estudos, as doenças esquizofrenia e transtorno bipolar podem ser desenvolvidas por causa de anticorpos. Entenda mais sobre o assunto!

None
Foto: iStock.com/Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 14/12/2016 às 13:03
Atualizado às 12:57

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Segundo cientistas da Universidade de Oxford, no Reino Unido, pacientes diagnosticados com esquizofrenia ou transtorno bipolar podem estar sofrendo, na verdade, de um problema imunológico tratável. O estudo sugere que um em cada 11 casos de psicose pode envolver anticorpos que atacam determinadas partes do cérebro. No total 228 pessoas participaram da pesquisa.

ilustração

Foto: iStock.com/Getty Images

Os anticorpos que deveriam proteger o organismo  acabam atacando a superfície das células do cérebro e alterando suas funções, o que acaba gerando essas doenças. Apesar de ser controversa, a descoberta é um novo horizonte para o tratamento dessas doenças.

Esquizofrenia

A esquizofrenia é uma doença grave, complexa, intrigante e suas causas ainda não são totalmente conhecidas. As manifestações do problema são muito variáveis. No geral, as pessoas com a doença têm dificuldade de distinguir o real do imaginário. Podem vivenciar mudanças na sua forma de pensar e sentir, prejudicando suas relações afetivas e seu desempenho profissional e social.

ilustração

Foto: iStock.com/Getty Images

Bipolaridade

Caracterizado pela mudança de humor com episódios de euforia alternados com depressão e raiva, o transtorno bipolar, se não for tratado, pode atrapalhar a rotina e a interação social do indivíduo doente. “Em quadros como esse, o que mais chama a atenção é desproporção entre as reações, ou seja, quando não há acontecimentos no ambiente em que a pessoa está e que justifiquem tal comportamento alterado”, explica a psiquiatra Maria Cristina de Stefano.

Leia também: 

Consultoria  Maria Cristina de Stefano, psiquiatra