Esquizofrenia afeta mais de 21 milhões de pessoas. Saiba mais sobre o transtorno

Presente nos principais guias de saúde mental, a esquizofrenia afeta os pensamentos e a rotina de pessoas acometidas pelo transtorno. Alucinações são comuns

None
FOTO: Shutterstock Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 30/10/2016 às 10:00
Atualizado às 11:52

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Vira e mexe, surgem comentários sobre as histórias de quem, aos poucos, começaram a ouvir ou ver coisas incomuns, como vultos e vozes que atormentaram constantemente as pessoas e prejudicaram significativamente a capacidade de viver suas rotinas.

Esquizofrenia afeta mais de 21 milhões de pessoas. Saiba mais sobre o transtorno

FOTO: Shutterstock Images

Apesar de algumas vezes ser classificado precipitadamente como indícios de loucura – e, até mesmo, possessão demoníaca –, esse tipo de relato pode ter ligação com um transtorno cada vez mais comum: a esquizofrenia, que, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), afeta mais de 21 milhões de pessoas em todo o mundo.

O quadro já está presente nos dois principais critérios para a identificação de disfunções relacionadas à saúde mental, que são o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, mais conhecido como DSM-5 (da Associação Americana de Psiquiatria), e a Classificação Internacional de Doenças, CID 10, da OMS.

No entanto, em um primeiro momento, o que mais preocupa pacientes e pesquisadores é, exatamente, detectar os sintomas ligados à esquizofrenia. Segundo o psiquiatra especialista em esquizofrenia Carlos Hübner, quando ocorre o diagnóstico inicial, na verdade, as primeiras alterações, ainda sutis, no comportamento começaram cerca de cinco anos antes.

Entre perseguições e alucinações

“Os sinais prodrômicos (precoces da esquizofrenia) não oferecem uma definição dos sintomas esquizofrênicos propriamente ditos”, afirma o psicanalista clínico Paulo Miguel Velasco. Geralmente, isso ocorre porque há a confusão com outros distúrbios, como depressão e transtornos de ansiedade. Antes dos surtos, o psicanalista frisa que podem aparecer dificuldades de memória, hiperatividade, falta de concentração, desinteresse pelas atividades corriqueiras e humor depressivo.

LEIA TAMBÉM

Consultorias: Carlos Hübner, psiquiatra pela University Heidelberg, na Alemanha, e professor na Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), em Sorocaba (SP); Paulo Miguel Velasco, psicanalista clínico.

Texto: Vitor Manfio/ Colaborador – Entrevistas: Giovane Rocha e Vitor Manfio/ Colaboradores – Edição: Augusto Biason/ Colaborador

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.