Esclerose: saiba mais sobre a doença que, muitas vezes, é confundida com demência

Sabia que, apesar do termo "esclerosado" ser usado para definir quem sofre com o declínio das capacidades cognitivas, seu real significado é bem diferente?

None
A maioria dos pacientes diagnosticados são jovens, entre 20 e 40 anos, o que resulta em um impacto pessoal, social e econômico considerável. FOTO: Shuttesrtock

por Redação Alto Astral
Publicado em 29/08/2017 às 15:24
Atualizado às 14:02

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Apesar do termo esclerosado ser popularmente usado para definir quem sofre com o declínio das capacidades cognitivas e que está fora de si, o real significado pouco tem a ver com isso. Aliás, tornou-se uma expressão pejorativa daquilo que deveria remeter ao indivíduo com o diagnóstico de algum tipo de esclerose – uma gama de doenças que não têm relação entre si. De acordo com uma pesquisa divulgada pelo Ibope, em 2010, foi avaliado que cerca de 70% da população brasileira não sabe realmente o que é esclerose, associando um dos tipos, a esclerose múltipla, (EM) ao envelhecimento. Além disso, é comum a confusão entre o problema e alguma forma de demência. “Esclerose é um termo médico utilizado para definir aumento de tecido conjuntivo e endurecimento do órgão. Já as demências se manifestam por declínio cognitivo, levando a alterações de memória e comportamentais.”, diferencia o neurologista Drusus Perez.

esclerose

O apoio familiar é a base fundamental para que a pessoa afetada pela doença tenha mais qualidade de vida. FOTO: Shutterstock

Hora de tomar nota

Confira alguns tópicos sobre as características gerais daquilo que entende-se na literatura médica por esclerose. Para saber mais sobre os principais tipos do problema, continue a leitura na página 12, ok?

  • O que é: o termo em si significa o endurecimento de algum órgão e vem do grego “skleros”, que significa duro. Entre as causas gerais desse problema está a idade avançada, inflamações e doenças autoimunes, que podem levar a perda de elasticidade do tecido e causar alguma forma de esclerose.
  • Principais formas: entre as mais conhecidas estão a esclerose múltipla (EM), a esclerose lateral amiotrófica (ELA), a esclerose sistêmica e a esclerose tuberosa, além da arteriosclerose.
  • Grupo de risco: se comparado às causas de demência, as formas de esclerose costumam acometer indivíduos mais jovens – e a maioria não tem ligação ao envelhecimento. No caso da esclerose múltipla, por exemplo, é mais comum na faixa dos 20 a 40 anos e acomete mais mulheres que homens.
  • Diagnóstico: como as formas de esclerose variam entre si, a avaliação médica é diferente. O risco é, em alguns casos, como na EM e na ELA, em que os pacientes levam cerca de 8 meses entre o início dos sintomas e o diagnóstico, perder tempo no tratamento, fator importante para retardar a doença. “Atualmente, as escleroses ainda não possuem cura, apenas medidas e medicações de controle, mas há estudos avançando nesse sentido”, destaca a médica da família Cristiane Gussi.

Afetam a mente?

As formas de esclerose não evoluem para a demência ou tem sintomas de incapacidade intelectual. Apenas alguns casos de esclerose múltipla (EM) podem caminhar para grandes lesões e acarretar no declínio das faculdades mentais, além de ocorrências isoladas de esclerose lateral amiotrófica (ELA), em que poucos pacientes possuem sintoma de demência associada. Então, porque o engano entre doenças tão diferentes? “Talvez a confusão mais comum ocorra com a expressão popular ‘ficar esclerosado’, que se refere às pessoas, geralmente mais idosas, que começam a apresentar progressivamente perda de memória e capacidade de se cuidar sozinhos”, sinaliza a neurologista Vanessa Muller. Para ela, essa ideia vem do termo aterosclerose, doença das artérias comum em idosos e que não contempla a EM ou ELA, mas sim a causa mais comum de demência adquirida, através de lesões cerebrais em decorrência de derrames. “Essas alterações vão se somando e estão associadas a uma história de declínio da competência cognitiva”, destaca.

esclerose

Esclerose compreende um conjunto de doenças sem relação entre si que atingem milhões de pessoas no Brasil e no mundo. E, ao contrário da percepção geral, elas não possuem, necessariamente, conexão com o cérebro. FOTO: Shutterstock

Para não confundir

Além do termo esclerosado ser usado erroneamente para designar pessoas com demência, outros também podem ser mal-interpretados. Confira:

  • Arteriosclerose: é uma forma de referir-se as espessamentos das artérias, em que as paredes das mesmas ficam endurecidas, perdendo a elasticidade. “Causada geralmente por hipertensão arterial ou pela idade avançada”, indica a neurologista Vanessa.
  • Aterosclerose: essa grafia, sem o “r” e o “i” é usada para designar uma forma de arteriosclerose em que há o endurecimento da parede arterial, porém causada pela presença de placas de ateroma, ou seja, placas de gorduras.

LEIA TAMBÉM

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.