ESTILO DE VIDA

Entenda a depressão pós-parto

A depressão é uma das doenças mais incidentes, mas muitos ainda desconhecem um tipo que acomete somente as mulheres: a pós-parto. Saiba mais sobre ela.

None
Foto Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 04/08/2016 às 20:29
Atualizado às 21:02

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Ela demorou para ser compreendida como doença, mas a divulgação do problema por meio da mídia fez com que a gravidade do tema tomasse as devidas proporções. “A depressão é a doença mental de maior incidência no mundo, e pode ser tão grave que leva à morte por suicídio”, afirma a psiquiatra Maria Cristina de Stefano. Agora, que tal saber mais sobre um tipo de depressão que atinge somente as mulheres e que ainda não é tão reconhecida pela população?

mulher triste olhando para o espelho

Foto: Shutterstock.com

Depressão pós-parto

“Não há causa específica para depressão pós-parto, mas, em geral, sabemos as alterações físicas, emocionais e psicológicas que são apresentadas. De certo, para cada mulher terá uma causa ou um conjunto que explique os sintomas”, ressalta a psicanalista Elizandra Souza. Ela também afirma que esse problema não atinge somente quem engravidou de surpresa: muitas que planejaram a gravidez sofrem com a doença, que normalmente não tem indícios durante o período de gestação – mas aquelas que têm histórico de depressão ou que apresentam dificuldades em lidar com perdas ou momentos decisivos merecem atenção especial.

Saiba mais:

Meditação: prática que faz bem para o cérebroM

12 dicas para cuidar da saúde da mente

Coma mais grãos e sementes para melhorar a saúde

Entre mães e filhos

pernas de mãe e filho na praia

Foto: Shutterstock.com

Um dos primeiros sinais que a mulher apresenta é com relação à criança: “ela pode ficar triste, com raiva do mundo e, principalmente, com ódio da criança”, esclarece Elizandra. Em alguns casos, é necessário o afastamento do filho para evitar que a mãe o maltrate.

Mas a criança sente que algo está errado? “Há um ramo da psicanálise que estuda bebês e diz que sim. Ele sente que algo está errado nessa relação, até porque suas demandas biológicas e emocionais não são satisfeitas”, indica a profissional. Entretanto, não é possível afirmar se a criança terá problemas emocionais futuros, já que, na maioria das vezes, alguém supre as necessidades no lugar da mãe. Ao perceber que alguém está, possivelmente, sofrendo de depressão pós-parto, o indicado é orientar a procurar ajuda profissional. Assim, mãe e bebê serão preservados de problemas futuros.

Consultoria Maria Cristina de Stefano, psiquiatra; Elizandra Souza, psicanalista