Entenda a hipertensão e aprenda a se prevenir

A popular pressão alta, que atinge 25% dos brasileiros, pode levar a sérios problemas de saúde: cuide-se!

None
iStock.com/Getty_Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 28/04/2016 às 08:10
Atualizado às 21:03

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

O Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão, comemorado ontem, serve para lembrar sobre a importância do conhecimento desse mal e as formas de evitá-lo. “Podemos definir a hipertensão como a condição clínica multifatorial, caracterizada por níveis elevados da pressão arterial, em geral maior que 14 por 9”, explica Francisco Lourenço, cardiologista do Hospital Quinta D’Or.

Essa alta pressão nos vasos sanguíneos e nos órgãos causa lesões que, ao longo do tempo, podem gerar o entupimento de artérias e, consequentemente, levar a doenças como angina, infarto, derrame, insuficiência e paralisação dos rins e prejuízo para a visão. Por isso, além dos cuidados que você pode ter em seu dia a dia, não deixe de procurar um médico e fazer os exames indicados.

Entenda a hipertensão e aprenda a se prevenir

iStock.com

Faça o exame

Apesar de tão perigosa, o grau de conhecimento sobre a hipertensão e sua prevenção ainda é baixo. Isso porque ela é uma doença silenciosa e que dificilmente apresenta sintomas. “A hipertensão inicialmente é assintomática ou causa sintomas inespecíficos, como a dor de cabeça.

Muitas vezes ela é diagnosticada quando já há o prejuízo de outros órgãos”, alerta Lourenço. Por isso, a prevenção, com a identificação dos fatores de risco e a busca por uma vida mais saudável, é fundamental para combater este mal. Manter uma dieta adequada e realizar exercícios físicos moderados são algumas das indicações médicas contra a hipertensão.

Cuide-se bem!

Idade, histórico familiar, sedentarismo, excesso de peso e alta ingestão de sal e álcool, são alguns dos fatores de risco. Podemos tomar medidas preventivas para vários deles, como manter uma atividade física regular, uma dieta saudável e evitar o consumo de álcool, por exemplo”, aconselha o cardiologista.

Vale lembrar que a hipertensão não tem cura, mas tem controle. É uma doença crônica e deve ser tratada pelo resto da vida. É importante consultar um médico para avaliar se é necessário o tratamento com remédios. Ele fará o acompanhamento da pressão e investigará se já houve alguma lesão no organismo.

Fique Atento!

*A pressão arterial deve ser medida pelo menos uma vez por ano. Níveis de pressão arterial maiores que 14 por 9, medidos em dias diferentes, levam ao diagnóstico de hipertensão arterial.

*Filhos de pais que apresentam a doença, obesos, fumantes, sedentários, pessoas que tomam bebida alcoólica com frequência ou ingerem grande quantidade de sal são mais propensos a apresentar a enfermidade.

* Uma dieta regrada, exercícios físicos regulares, controle do peso e dos níveis de colesterol são medidas que auxiliam na prevenção e no tratamento da hipertensão arterial.

Sob controle

As nutricionistas Isabela C. Pimentel Mota, Nágila Damasceno e Marcia Gowdak dão uma lista de alimentos que podem ajudar a controlar esse mal.

alimentação saudável

Shutterstock

Beterraba: conhecida pelo seu paladar adocicado, a beterraba é fonte de carboidratos e também de nitratos. Vários estudos têm mostrado que o consumo diário de suco de beterraba rico em nitratos contribui para diminuir pressão arterial.

Peixes fonte de ômega 3: essa gordura encontrada nos peixes aumenta a síntese de substâncias vasodilatadoras, além de inibir a ação de receptores responsáveis pelo aumento da pressão, ação similar a alguns medicamentos anti-hipertensivos. Estudos mostram benefício com a suplementação diária deste óleo em doses mínimas de um grama. Esta quantidade pode ser alcançada com o consumo semanal de 300 gramas de peixe ricos em ômega-3 (sardinha, salmão, atum).

Laticínios magros: apresentam reduzido teor de gorduras saturadas e são fontes de proteínas, além de nutrientes como o cálcio e potássio. Cada porção de iogurte adicionada à dieta foi associada a redução de 6% do risco de hipertensão arterial.

Morangos: fonte de fitoquímicos (ácido elágico, antocianinas, quercetina e catequina) e vitaminas (vitamina C e ácido fólico); o consumo de morango tem apresentado relação inversa com a incidência de hipertensão. Entre outros potenciais mecanismos de ação está a ativação de uma enzima responsável pelo aumento da vasodilatação arterial.

morangos contra hipertensão

Shutterstock

Frutas secas: damasco, uva-passa e ameixa-preta são frutas com elevado teor de potássio, mineral que atua de modo positivo no controle da hipertensão arterial. Os estudos mostram que o potássio pode afetar as funções endoteliais e da musculatura vascular lisa, alterando favoravelmente pressão arterial.

Castanha-do-pará: também chamada de castanha-do-brasil é uma oleaginosa fonte de antioxidantes importantes como o selênio e também é fonte de magnésio. O magnésio em associação com o cálcio melhora o controle pressórico e pode também melhorar a resistência periférica à insulina. Assim como a oleaginosa, outros frutos secos como pistache, amendoim, macadâmia, nozes e amêndoas também são fontes importantes de ácido linoleico e linolênico, que têm mostrado associação negativa com a pressão arterial.

Alho: o extrato de alho tem sido investigado pelo seu poder hipotensor. Nem todas as pessoas apresentam redução da pressão arterial com o uso de alho, porém nos indivíduos sensíveis observa-se redução tanto da pressão arterial sistólica quanto da diastólica, possivelmente pela ação dos polissulfetos derivados do alho no relaxamento vascular mediado pelo óxido nítrico.

Romã: estudos têm mostrado que o suco de romã é rico em antioxidantes com propriedades anti-inflamatórias, que provavelmente são responsáveis pelo seu efeito hipotensor. A quantidade média diária de consumo para o efeito benéfico é de 150ml do suco integral de romã.

Azeite de oliva: a inclusão de 30 ml de azeite de oliva extravirgem à dieta tem sido associada a maior produção de endotelina e óxido nítrico, ambos considerados importantes reguladores da pressão arterial. Os mecanismos envolvidos parecem ser influenciados pelo conteúdo de ácido oleico e compostos fenólicos presentes no azeite. Importante destacar que o azeite de oliva comum e virgem possuem quantidades menores desses compostos, sendo sua ação controle pressórico menor do que a promovida pelo azeite de oliva extravirgem.

Cacau: o cacau é rico em substâncias vasodilatadoras que ativam uma enzima que aumenta a produção de óxido nítrico pelo endotélio. O consumo do chocolate com quantidade mínima de 70% de cacau mostrou ter efeito a curto e longo prazo, pois o seu efeito hipotensor foi observado após 2 horas e manteve-se por até 2 semanas após o seu consumo. A quantidade mínima de consumo diário necessário para a redução da pressão arterial foi de 40 gramas de chocolate amargo.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.