ESTILO DE VIDA

Energéticos x álcool: confira os perigos dessa combinação

O consumo de energéticos com bebidas alcoólicas é comum, mas representa um risco à saúde, principalmente em relação à doenças cardíacas.

None
FOTO: Vinicius Tupinamba/Colaborador

por Redação Alto Astral
Publicado em 17/08/2016 às 19:08
Atualizado às 21:00

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Se para você a única coisa que pode acompanhar os energéticos é gelo, saiba que a mistura mais comum feita é com doses de vodca, whisky ou outras bebidas alcoólicas. A combinação é associada à necessidade de ter mais energia para se manter “ligado” nas festas e pode agradar ao paladar, mas é prejudicial para a saúde.

Bebidas alcoólicas e enérgicos, quando misturados, fazem mal à saúde

FOTO: Shutterstock Image

Faz mesmo mal?

Segundo estudo da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a maioria das bebidas energéticas comercializadas no país traz uma mistura de carboidratos, cafeína, taurina, gluconolactona e vitaminas do complexo B. As consequências dessas substâncias no organismo ainda não são totalmente claras. “É preciso verificar que tipo de bebida energizante está sendo consumida. Está na moda utilizar bebidas com grandes quantidades de cafeína e taurina, substâncias que aumentam a frequência cardíaca e a pressão arterial. Quando são associadas ao álcool, acontece uma potencialização dessas substâncias, ou seja, os efeitos são mais fortes”, alerta o cardiologista Serafim Borges.

SAIBA MAIS:

Álcool em excesso pode prejudicar memória de jovens

Os perigos do álcool na gravidez

Conheça mais sobre o alcoolismo feminino

Alguns ingredientes dos energéticos estimulam o sistema nervoso central e o sistema cardiovascular. Em certos casos, o energético deve ser evitado até mesmo puro. Pessoas sensíveis e quem tem um histórico de hipertensão podem apresentar arritmias cardíacas e aumento da pressão arterial. Por não ser uma bebida isotônica, não repõe a água e os sais minerais na quantidade devida. Com isso, o organismo perde muito suor, há mais vontade de urinar e eleva o risco de desidratação e suas consequências.

Qual a quantidade recomendada de energéticos?

O consumo da bebida pura deve ser de uma lata por dia, no máximo, quando muito necessário. A ingestão em grande quantidade deve ser evitada e pode ser prejudicial. Crises de arritmia e hipertensão são efeitos indesejáveis possíveis quando a pessoa ingere mais de duas latas de energético. Euforia, excitação, tremores e palpitação também podem ocorrer.

Texto Lara Vendramini/Colaboradora

Consultoria Serafim Borges, cardiologista