ESTILO DE VIDA

Concentração: até que ponto as emoções atrapalham?

A ansiedade e a depressão são transtornos comuns entre o grande público. E, se não tratados, podem prejudicar (e muito!) a concentração

None
FOTO: Shutterstock Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 09/09/2016 às 18:59
Atualizado às 20:57

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Para ficarmos atentos é necessário selecionarmos e filtrarmos nossos sentidos. Então, ter concentração se um indivíduo depressivo não apresenta energia, motivação, objetivo? Além disso, o depressivo também perde o interesse e o prazer pelas coisas, pelo próximo ou por si mesmo. Perde, portanto, o foco interno e externo, o que faz ter muitas perdas em sua habilidade social e laboral.

Já o indivíduo ansioso, no final de toda cadeia fisiológica, aumenta os níveis de cortisol, hormônio da fuga, e esse, por sua vez, em níveis aumentados em resposta ao estresse, influencia profundamente a função cerebral, interferindo na atenção seletiva e sustentada da atenção.

“Indivíduos com transtorno de ansiedade generalizada apresentam uma inabilidade de concentrar-se em outros assuntos que não o relacionado ao agente estressor. O rápido aumento do corticosteroide aumenta a interferência da emoção, que está associada à ativação da amígdala cerebral.

E a amígdala, por sua vez, aumenta sua conectividade com outras regiões cerebrais, como a frontoparietal, que pode refletir em alterações também nos processos cognitivos executivos, os quais são a base para dosar adequadamente o quanto de emoção, impulsividade e racionalidade serão necessários para uma tomada de decisão”, explica a neurologista Vanessa Müller.

mulher triste pensando - concentração

FOTO: Shutterstock Images

Todos os transtornos que afetam o psicológico dificultam o processo de concentração por modificarem a produção de neurotransmissores que influenciam diretamente o funcionamento do hipocampo, principal órgão de manutenção da atenção e da memória. “Ressalta-se, portanto, que o desenvolvimento da inteligência emocional é indispensável para uma melhor qualidade de vida e um rendimento mais satisfatório nos processos cognitivos, como a concentração, a assimilação e a memorização de determinado conteúdo”, acrescenta Christyano Malta, head master coach da Casa Coaching.

Além disso, depressão e ansiedade tiram a capacidade da pessoa viver no agora, para que esteja vivendo do passado, ao estar deprimido, ou do futuro, ao estar ansioso. Só no momento presente somos capazes de estarmos concentrados e vivermos momento a momento, com presença consciente.

Saiba mais!

Cérebro saudável é igual a maior concentração

Novas técnicas para tratar ansiedade e depressão

Texto e entrevistas: Larissa Tomazini – Edição: Giovane Rocha/Colaborador

Consultorias: Christyano Malta, head master coach da Casa Coaching; Martin Portner e Vanessa Müller, neurologistas