É possível emagrecer só com dieta? Especialista responde!

Você só faz dieta e deixa a malhação e uma boa noite de sono de lado? Saiba que esses e outros hábitos podem prejudicar a sua perda de peso!

None
Foto: Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 03/03/2017 às 18:36
Atualizado às 12:10

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Muita gente faz aquela dieta caprichada, mas perde pouco ou nenhum peso. “Só fechar a boca não significa que você vai realmente emagrecer. Hábitos errados e escolhas insensatas podem fazer com que o seu esforço seja em vão”, explica Tamara Mazaracki, médica nutróloga e ortomolecular. É por isso que a reeducação alimentar é a mais indicada para um emagrecimento eficaz e definitivo. Com ela, naturalmente vêm outros hábitos saudáveis. Contudo, alguns detalhes podem prejudicar essa mudança. Saiba quais!

Mulher pensando com legumes ao lado

Foto: Shutterstock.com

Copiar a dieta de outra pessoa

Nenhum metabolismo é igual ao outro, então não existe uma receita que funcione para todos. Dietas devem ser prescritas por um profissional após avaliação do caso específico.

Corte radical de calorias

Se você embarcar numa dieta radical, seu metabolismo vai ficar mais lento e será cada vez mais difícil perder peso. Comer pouco e pular refeições também contribuem para que o organismo funcione mais devagar. Por isso, especialistas recomendam de 5 a 6 pequenas refeições, a cada três horas. Assim você mantém a fome sob controle e não comete exageros.

Economizar calorias no café da manhã

Pular esta refeição ou só tomar um cafezinho é o pior erro. Pesquisas mostram que um bom desjejum é essencial para a perda de peso. Seu corpo ficou em jejum de 8 a 10 horas após uma noite de sono, portanto, é essencial fornecer nutrientes para serem gastos na jornada diária.

Pressa

Comer apressadamente é garantia de problemas digestivos e ganho de peso. A hora da refeição deve ser tranquila, os alimentos devem ser bem mastigados. “Na medida do possível, procure comer com tranquilidade, saboreie o prato e permita que o centro da saciedade seja acionado pela mastigação”, afirma a médica ortomolecular e nutróloga Tamara Mazaracki.

Muito sal

O sódio contribui para a retenção de líquidos, o que faz o peso disparar na balança. Além disso, o sal tem relação direta com o aumento da pressão arterial. Para não exagerar nas refeições, capriche no uso de condimentos, ervas e especiarias, que ainda são ricos em nutrientes antioxidantes.

Dormir pouco

Pesquisas científicas comprovam que dormir pouco afeta negativamente o metabolismo. Quem sofre com insônia ou despreza o sono para ficar mais tempo na balada ou teclando no computador vai ter mais dificuldade em manter o equilíbrio na balança. Se você tem problemas para dormir, procure orientação médica, evite bebidas e alimentos com cafeína à noite e prepare o quarto de forma confortável. Tente dormir e acordar mais ou menos nos mesmos horários, assim o corpo se adapta à rotina e entra em equilíbrio.

Beber calorias

Refrigerantes e sucos podem ser uma fonte insuspeita de calorias. Suco de laranja é muito saudável, mas isso não quer dizer que você pode tomar dois ou três copos por dia. “Deixe o suco de frutas frescas para o café da manhã”, ensina a especialista. Além disso, evite líquidos durante as refeições, pois isso pode prejudicar a digestão e causar inchaço na barriga.

Não comer fibras

Feijão com arroz, legumes, saladas, frutas, pão integral e aveia e linhaça na vitamina ajudam a controlar o apetite, melhoram a função intestinal, reduzem a absorção de carboidratos e gorduras. “Isto se deve ao seu alto conteúdo de fibras solúveis e insolúveis, essenciais em qualquer dieta de sucesso”, enfatiza a médica.

Cervejas e caipirinhas

“O álcool é o maior inimigo da perda de peso. Além de sobrecarregar o fígado, é puro carboidrato com calorias vazias, ou seja, sem nutrientes”, alerta Tamara. Por não ter fibras, gorduras ou proteínas, a absorção do álcool é imediata, armazenando calorias em forma de gordura.

Consultoria: Tamara Mazaracki, médica nutróloga e ortomolecular, do Rio de Janeiro (RJ)

LEIA TAMBÉM