Edema periférico: problema atinge pernas, pés e tornozelos

Peso a mais, muito sal, alimentação desregrada, tudo isso pode levar ao edema periférico. Entenda melhor o problema e saiba como se livrar dele!

None
Foto: Vinicius Tupinamba/Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 12/12/2016 às 13:15
Atualizado às 12:56

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Suas causas são variadas, infelizmente, a ocorrência é mais comum do que se imagina. Ficar muito tempo em pé, ciclo menstrual da mulher, gravidez ou até mesmo o processo natural de envelhecimento podem ser os principais responsáveis por esse tipo de inchaço.

pernas

Foto: Vinicius Tupinamba/Shutterstock

Atenção a algumas causas

A maior preocupação atinge as pessoas que possuem o problema que está além das causas citadas acima, ou seja, quando o inchaço apresenta o sintoma de alguma patologia grave: trombose, insuficiência cardíaca, renal ou venosa (quando as veias não bombeiam o sangue de maneira suficiente), infecção nas pernas ou nos pés e obesidade são algumas delas. Nesses casos, após o diagnóstico, a indicação de tratamento médico deve ser imediata. Por isso, o inchaço nessas regiões deve ser muito bem investigado e tratado.

Hábitos que colaboram

Deixar de fazer ginástica laboral no trabalho ou, se você trabalha muito tempo sentado, não ter uma cadeira ou apoio de pé adequado, também pode prejudicar a circulação sanguínea, resultando no inchaço periférico. Ficar em pé por horas consecutivas, passar por calor intenso, uso de antidepressivos e esteroides, além de reposição hormonal (tanto testosterona quanto estrogênio), também se classificam entre as principais causas do problema.

Previna-se!

Siga as dicas a seguir para aliviar o inchaço periférico (caso o problema persistir, busque um médico imediatamente!):

  • Esteja sempre dentro do peso ideal para você;
  •  Meias elásticas podem auxiliar contra inchaço dos pés e tornozelos no caso de quem trabalha muito em pé ou sentado;
  •  Mantenha uma alimentação saudável e balanceada;
  •  Faça atividade física regularmente;
  • Não use calças e sapatos muito apertados;
  •  Evite sal em excesso.

LEIA TAMBÉM:

Consultoria: Camila Bertho, nutricionista