Eclampsia: essa doença pode colocar em risco a gestante e o bebê, mas há como preveni-la

A eclampsia é uma doença caracterizada por convulsões associadas à hipertensão arterial, de extremo perigo para a mãe e o bebê. Saiba como prevenir e tratar

None
Foto: Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 01/09/2017 às 08:58
Atualizado às 13:44

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A gravidez é um momento de realização na vida da maioria das mulheres. Por isso, é importante tomar todos os cuidados nessa fase para prevenir doenças como a eclampsia, caracterizada por convulsões associadas à hipertensão arterial, de extremo perigo para mãe e o bebê.

Mistério para a medicina

Os médicos ainda desconhecem as causas dessa doença. “Sabemos que ela costuma se apresentar inicialmente de forma leve, com um pequeno aumento da pressão arterial, o que chamamos de pré-eclampsia leve. Essa forma, pode evoluir para moderada e grave, levando a gestante a um preocupante quadro neurológico de convulsões, momento em que a pré-eclampsia se torna eclampsia”, afirma o ginecologista e obstetra Paulo Veinert, professor da Faculdade de Ciências da Saúde (Facis), de São Paulo.

Idade da gestante

‹ Segundo o médico, as mulheres com menos de 25 anos de idade, gestantes pela primeira vez, são as que mais apresentam a doença.

‹ “O problema é, de 2 a 5 vezes, mais freqüente em mulheres de uma mesma família, sugerindo uma tendência hereditária”, garante Veinert.

‹ Além disso, possuem mais chances de desenvolver a eclampsia, aquelas que engravidam após os 35 anos ou têm outros problemas de saúde relacionados à gestação, como obesidade, hipertensão arterial, diabetes e disfunções hepáticas e renais.

A importância do pré-natal

‹ O exame capaz de identificar sintomas da pré-eclampsia é o pré-natal. “Com ele, o médico pode constatar o aumento da pressão arterial, o edema e a perda de proteína no exame de urina”, explica o ginecologista.

‹ Diagnosticada a pré-eclampsia, o especialista classifica se ela está na forma leve, moderada ou grave.

‹ “Se a forma grave se manifesta, é necessário proceder com a internação hospitalar da gestante para o controle da pressão arterial, das funções renais e hepáticas da mãe e do bem-estar do bebê”, alerta.

Riscos para mãe e filho

‹ Quando a pré-eclampsia se torna eclampsia, é muito perigoso, pois a mãe e o filho correm risco de morte. E a única solução, nesse caso, é a interrupção da gravidez.

‹ “O ideal é manter a pré- eclampsia sob controle até que o nenê apresente sinais de maturidade para o nascimento. Porém, nem sempre isso é possível, e a criança pode desenvolver um quadro de sofrimento, por insuficiência circulatória da placenta antes mesmo da maturidade”, afirma Veinert.

Prevenção da eclampsia

‹ O especialista explica que muito se especula a respeito do uso de medicamentos preventivos para essa doença e que tudo o que já foi feito até hoje encontra resultados conflitantes.

‹“O ideal é planejar a gravidez junto ao médico, mantendo seu peso corporal com uma dieta segura e conduzindo a gestação em um ambiente familiar equilibrado, evitando abusos físicos, condições de estresse e exageros alimentares”, aconselha.

‹ Além disso, toda gestante deve fazer o pré-natal, pois quanto mais precoce é o diagnóstico da pré-eclampsia, melhor o prognóstico para a mãe e para o bebê.

Consultoria: Paulo Veinert, ginecologista, obstetra e professor da Faculdade de Ciências da Saúde de São Paulo (FACIS). Fone: (11) 5575-0799

LEIA TAMBÉM

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.