Dor de cabeça: conheça cada tipo e saiba como tratar o problema

Aprenda a identificar quando a cefaleia pode indicar um aneurisma e quando ela está relacionada a outros problemas como sinusite e sensibilidade a aromas

None
Foto: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 09/12/2016 às 12:44
Atualizado às 12:55

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A dor de cabeça é bastante recorrente no dia a dia, podendo ser um simples mal-estar passageiro ou, então, o primeiro sinal de doenças bem sérias, como tumores ou até mesmo aneurisma. Este último é retratado, segundo os médicos, como a dor de cabeça mais forte e dolorosa que um paciente pode sentir ao longo da vida.

“Ao se romper, o aneurisma provoca dor de cabeça intensa e súbita, que muitas vezes é o único sintoma. É importante frisar que a cefaleia tem outras causas e, na maioria das vezes, não é um aneurisma que se rompeu.

mulher tampando o rosto

Foto: Shutterstock

A dor de cabeça provocada pelo rompimento do aneurisma é muito forte, pode ser acompanhada de vômitos, turvação visual, visão dupla, paralisia de um lado do corpo, desorientação, confusão mental e até convulsões”, explica o neurologista Manoel Carlos Taveiros Mendes. No caso de um desmaio após um grito intenso de dor na cabeça, deve-se encaminhar o indivíduo imediatamente ao médico. Entretanto, como destacou o profissional, nem sempre esse tipo de problema indica a ocorrência de aneurisma. Descubra o que uma dor de cabeça pode significar.

Dor de cabeça ocasionada por tensão

Extremamente comum, ela atinge a maioria das pessoas esporadicamente, surgindo como consequência de situações rotineiras de estresse, noites mal dormidas, trânsito, problemas familiares ou de trabalho, dentre outros. Essa dor é difusa, sendo registrada no alto da cabeça e na testa. O consumo de álcool e de cafeína também pode ser causador. Para esse tipo de mal-estar, são indicados, geralmente, analgésicos comuns, mas também são recorrentes terapias alternativas, como massagens, meditação e até mesmo a psicoterapia.

Cefaleias em salvas

É caracterizada como uma dor bastante forte que atinge a região sobre o olho e é sentida em apenas um lado da cabeça. Pode durar entre 15 minutos e 1 hora. Depois de desaparecer, retorna no dia seguinte. Esse quadro, diferente do anterior, pode persistir por semanas, mesmo com intervenção de analgésicos comuns. Não são conhecidas as causas exatas do problema, mas bebidas alcoólicas e tabagismo, além de alimentos com muitos conservantes, devem ser evitados.

Mudança de pressão no ar, principalmente devido a viagens aéreas, e alterações bruscas na temperatura também são reconhecidos como causas comuns do mal-estar, que pode deixar os olhos lacrimejantes e provocar corrimento nasal.

Enxaqueca

Comumente, acomete um dos lados da cabeça e pode persistir por horas a fio ou até mesmo dias em casos mais sérios. Quem sofre desse tipo severo de dor de cabeça se torna sensível à luz e a barulhos. A enxaqueca pode embaçar até mesmo a visão de quem sofre desse mal. O tratamento deve ser feito com a medicação adequada, indicada por um médico.

Problemas de vista

A cefaleia que atinge a região dos olhos, geralmente, aparece após esforços visuais. As principais causas são hipermetropia e astigmatismo não corrigidos com óculos ou lentes de contato. Alguns tipos de cefaleias também podem trazer alterações visuais como embaçamento temporário, tendo que tomar cuidado para não fazer confusão. A melhor alternativa é buscar a ajuda de um oftalmologista em caso de persistência de dores nas região dos olhos.

Sinusite

A dor de cabeça também aparece em casos de sinusite aguda, que é a inflamação dos seios faciais. Geralmente, o mal-estar acontece na região onde o seio está localizado (que pode ser ao redor do nariz, nas maçãs do rosto e nos olhos). Se a sinusite for do seio maxilar, a dor de cabeça surge na maçã do rosto, abaixo dos olhos. Também podem aparecer sintomas nasais.

Ressaca

Uma das consequências causadas pelo excesso de consumo do álcool é a dor de cabeça. Pode durar até 24 horas após o consumo e é provocada pela desidratação, pela queda dos níveis de glicose no sangue e pela dilatação das veias cerebrais. A dor pode aparecer mesmo depois de acabar o quadro de embriaguez. Para evitar o problema, é recomendado beber sempre com moderação e alternar o álcool com água.

Dores constantes

Algumas dores podem ser muito mais frequentes e duradouras do que o normal. Como a dor não aparece no cérebro, o desconforto pode atingir qualquer outra região da cabeça. Quando o mal-estar realmente chega ao cérebro, é porque não se trata mais de cefaleia, e sim de um problema mais grave. Em casos sérios, a dor se intensifica e se torna latejante, com o acompanhamento de náuseas, febre, vômitos e tonturas.

Nesse caso, é sinal de problemas como tumores ou aneurismas. Como é muito difícil detectar a diferença só através dos sintomas, o ideal é procurar orientação médica imediatamente, uma vez que ambas as doenças são muito perigosas e precisam de tratamento imediato.

Aromas

Odores fortes também podem causar dores na cabeça. Isso acontece ocorre porque algumas fragrâncias ativam células nervosas no nariz, associadas à sensação de dor. Pacientes com enxaqueca podem ter o problema iniciado por um aroma, e é recomendado que se mantenham anotadas as fragrâncias que já incomodaram o indivíduo, para fugir de cheiros perigosos.

LEIA TAMBÉM:

Consultoria: Manoel Carlos Taveiros Mendes, neurologista

Texto: Redação Alto Astral