Dor de cabeça atinge qualquer pessoa e tem causas variadas

É comum encontrar pessoas que sofram com a dor de cabeça frequentemente. Mas quais as suas causas? Qualquer pessoa pode ter? Saiba isso e muito mais!

None
É preciso investigar as causas da dor de cabeça para tratá-la da forma correta. FOTO Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 29/06/2017 às 13:38
Atualizado às 13:57

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Um dos problemas de saúde mais comuns no mundo, a dor de cabeça, cientificamente denominada cefaleia, afeta cerca de 75% da população entre 18 e 65 anos. Estima-se que apenas 10% das pessoas que sofrem com o problema procuram ajuda médica especializada. Contudo, investigar as causas da dor é fundamental para conseguir tratá-la.

Existem mais de 200 tipos de dor de cabeça, que pode ser aguda ou crônica, indicar problemas mais graves de saúde ou ser simplesmente a manifestação de um mal-estar pelo consumo de algum alimento. Mulheres, homens, idosos e até crianças: a dor de cabeça não escolhe idade, gênero ou classe social. É uma das principais causas de faltas no trabalho e na escola. Alguns tipos podem afetar mais determinados grupos, como é o caso da enxaqueca em mulheres adultas. Porém, qualquer pessoa, em alguma fase da vida, pode passar por um episódio de dor.

A dor de cabeça precisa de tratamento?

A dor é um mecanismo do organismo para indicar que algo está errado. Portanto, apesar de a dor de cabeça ser um problema comum, não é normal senti-la. Se ela é crônica, é um motivo a mais para procurar um profissional capacitado (no caso, um neurologista) e iniciar o tratamento correto. Mesmo em casos de dores esporádicas, o recomendado é nunca se automedicar.

A dor de cabeça pode ser considerada comum, mas atrapalha as atividades do dia a dia.

A dor de cabeça pode ser considerada comum, mas atrapalha as atividades do dia a dia. FOTO Shutterstock

Um estudo da Organização Mundial de Saúde (OMS) aponta que metade das pessoas toma remédios sem orientação médica. O hábito pode aumentar a frequência e a intensidade da dor, tornando o problema crônico. Os tratamentos variam de acordo com a causa e a intensidade da dor, e podem ser ou não medicamentosos. Em alguns casos, uma simples mudança nos hábitos de vida pode fazer toda a diferença.

Você sabia?

Os especialistas utilizam a palavra “migrânea” para definir o problema conhecido como enxaqueca. O nome é uma variação da palavra grega hemikrania, pois a dor costuma atingir mais frequentemente um lado da cabeça, e foi traduzido para ax-xaqiqâ pela influência árabe. Com o tempo, a língua espanhola incorporou o vocábulo como jaqueca, que se tornou enxaqueca no português. Na tradução oficial da Classificação Internacional das Cefaleias, usa-se o termo migrânea, assim como na maioria dos artigos científicos em português.

LEIA TAMBÉM:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.