Diminua a insônia com a prática dos esportes aquáticos

Sabia que é possível diminuir os impactos da insônia com a prática de exercícios? Descubra quais esportes aquáticos são efetivos no combate!

None
Foto: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 08/12/2016 às 18:50
Atualizado às 12:55

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Que a prática de exercícios físicos é importante para a saúde, as pessoas já sabem. Mas eles ainda podem auxiliá-lo a combater a insônia, ainda mais se forem realizados dentro da água. As atividades praticadas nas piscinas tornaram-se cada vez mais comuns nas academias e ganharam vários adeptos, pois são benéficas à mente e ao corpo, além de protegerem as articulações, que são poupadas de grandes impactos com o movimento do corpo.

De acordo com a fisioterapeuta e especialista em medicina do sono, Carolina Carmona, entre os exercícios que podem ser realizados na água e trazem ganhos no combate à insônia estão a hidroginástica e a natação, ambos praticados na intensidade leve ou moderada. “A atividade dentro da água controla o ritmo da respiração e ajuda no controle da ansiedade – a principal vilã das boas noites de sono”, completa. Além de prevenirem contra a insônia, os exercícios na água ajudam no combate a outros males, como a hipertensão, o estresse e a depressão, e são excelentes para quem tem problemas nas articulações, ajudam no fortalecimento dos músculos, trabalhando a consciência corporal e ainda alongam os membros.

nadadora piscina raia insônia

Foto: Shutterstock

Função calmante

Na maioria dos casos, as atividades aquáticas exigem um maior esforço do corpo, o que, consequentemente, proporciona um cansaço corporal. Dessa forma, os praticantes têm a sensação de sonolência depois de saírem da água. Além do exercício respiratório que a prática demanda, exercitar-se na piscina promove aquela sensação de relaxamento, sobretudo quando a água é aquecida, geralmente nos 30°C, o que garante bem-estar e contribui para uma noite bem dormida. A temperatura também influencia na realização do exercício na medida em que a água, um pouco mais quente, faz com que os vasos sanguíneos dilatem, melhorando a circulação e o transporte de oxigênio para os tecidos.

Assim, a sensação agradável de calor chega mais rápido ao hipotálamo, responsável por interpretar os estímulos prazerosos. Sem falar que qualquer tipo de atividade física libera endorfina – o neurotransmissor que atua como analgésico e traz sensação de bem-estar. “Aliás, os sedentários levam mais tempo para dormir: são em média dez minutos, contra sete dos que se exercitam regularmente”, completa a especialista.

Invista em outros exercícios

Mulher e homem, hidroginástica

Foto: Shutterstock

Além das atividades praticadas na água, a especialista indica a realização de outras modalidades. “Os exercícios físicos, no geral, são indicados para controlar a ansiedade e combater a insônia. Uma caminhada de 20 minutos no parque também pode ajudar a garantir pelo menos umas horinhas a mais de sono”, afirma Carolina. “Nenhuma atividade prejudica o sono, desde que ela seja feita pelo menos duas horas antes de dormir. O ideal é que a intensidade seja moderada e que dure até 50 minutos”, completa.

Os benefícios da natação

Insônia exercícios sintomas

Foto: Shutterstock

Uma prática comum entre os pais é colocar seus filhos desde cedo na natação, assim, na maioria dos casos, esse esporte é o primeiro exercício físico que os pequenos aprendem e levam para o resto da vida. A modalidade traz diversos benefícios à saúde não só para as pessoas que sofrem com a insônia. Recomenda-se que seja praticado de duas a cinco vezes por semana, por pelo menos 30 minutos e que sejam feitos diferentes formas de treinamento. Confira algumas vantagens da atividade:

  • Melhora a capacidade de raciocínio
  • Diminui os sintomas de doenças cerebrais como o Alzheimer
  • Amplia a capacidade de movimentação e melhora a flexibilidade
  • Desenvolve massa muscular e o alongamento dos músculos
  • Aumenta a capacidade circulatória e respiratória

Texto: Redação Alto Astral

Consultoria: Carolina Carmona, fisioterapeuta e especialista do sono

LEIA TAMBÉM:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER