Sensores de lentes podem ajudar no controle do diabetes

Está sendo desenvolvida uma alternativa para medir a glicose no sangue de pacientes com diabéticos: são sensores de lentes. Entenda mais sobre esse estudo!

None
Foto Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 10/04/2017 às 13:22
Atualizado às 13:41

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Os pacientes diabéticos que precisam coletar o sangue todos os dias para realizar algum exame podem ficar esperançosos, pois uma pesquisa recente realizada na Universidade do Estado do Oregon, nos Estados Unidos, encontrou uma alternativa menos invasiva para essa coleta. Trata-se de uma lente de contato equipada com sensores biométricos capazes de aferir o nível de glicose no sangue do paciente, controlando o diabetes.

Os sensores de lentes podem contribuir para a saúde dos diabéticos.

Os sensores de lentes podem contribuir para a saúde dos diabéticos. Foto Shutterstock

Os sensores das lentes são alocados à uma lente de contato comum e transparente. Assim, eles conseguem monitorar os sinais biológicos (glicemia, ácido úrico) do indivíduo apenas por meio da análise de suas lágrimas. O objetivo é detectar os biomarcadores nas lágrimas e não no sangue do paciente, o que torna a tecnologia muito menos invasiva.

Esses sensores possuem uma enzima sensível à glicose. Dessa forma, cada vez que o dispositivo está na presença de açúcar, sua enzima se modifica. Isso permite que os cientistas acompanhem o níveis de glicose dos pacientes apenas monitorando a lente.

A nova tecnologia com sensores é menos invasiva e melhora o bem-estar do paciente.

A nova tecnologia com sensores é menos invasiva e melhora o bem-estar do paciente. Foto Shutterstock

Inicialmente, a tecnologia foi desenvolvida para aferir somente as taxas de glicemia no sangue. Porém, as pesquisas se expandiram para que o dispositivo também monitore outros sinais biológicos como ácido úrico, colesterol, dentre outros. As lentes ainda estão em fase de testes, mas, de acordo com o estudo, a tecnologia — que deve ser mais barata que os procedimentos comuns — pode ser produzida em escala industrial desde que haja apoio das empresas.

LEIA TAMBÉM:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.