Dia Mundial da Saúde: OMS alerta sobre a depressão

O Dia Mundial da Saúde visa conscientizar as pessoas sobre diversos assuntos. O tema de 2017 é a depressão, doença que causa prejuízos para o paciente.

None
O Dia Mundial da Saúde visa alertar e conscientizar sobre assuntos variados. Foto iStock.com/Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 07/04/2017 às 12:08
Atualizado às 13:41

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

O Dia Mundial da Saúde é celebrado em 07 de abril e traz à tona discussões sobre variados assuntos. O tema escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para 2017 é a depressão, doença considerada bastante democrática, já que afeta homens, mulheres, idosos e crianças, não fazendo nenhum tipo de distinção. E o cenário é assustador: segundo dados da entidade, entre 2005 e 2015, o número de pessoas com depressão cresceu 18% e a estimativa é que em torno de 300 milhões de indivíduos sofram com a doença ao redor do mundo.

O Dia Mundial da Saúde debate assuntos variados

O Dia Mundial da Saúde visa alertar e conscientizar sobre assuntos variados. Foto iStock.com/Getty Images

Entenda a depressão

De uma forma simples, a depressão pode ser descrita como um transtorno psíquico, o qual apresenta sinais caraterísticos. “O sintoma central da depressão é a predominância do humor triste e da angústia, sendo que o choro costuma ser fácil e frequente”, ensina a psicóloga Marcella Mantovani Pazini. Entretanto, também é preciso ficar atento a outros sinais, como visão de mundo pessimista, baixa autoestima, sentimento de incapacidade, irritabilidade aumentada, falta de concentração, insônia ou sonolência excessiva, e alterações no apetite, que pode estar aumentado ou diminuído, levando a ganho ou perda do peso.

Mas, afinal, você sabe os motivos que podem desencadear as crises depressivas? A predisposição genética e a ocorrência de experiências traumáticas na infância são fatores de risco, ou seja, podem ocasionar a depressão. “Pesquisas recentes indicam que filhos de pais depressivos têm maior tendência à depressão. Isso ocorre pois a depressão está relacionada à produção de serotonina do indivíduo, que é herdada geneticamente, além disso, não podemos esquecer que a convivência em um lar deprimido também exerce influência na formação da personalidade da pessoa”, acrescenta Marcella.

Tristeza x Depressão

Embora um dos sinais clássicos da depressão seja a apatia frequente, essa doença psicológica não pode ser confundida com uma mera tristeza (um dos motivos que enaltece a importância do Dia Mundial da Saúde). Isso porque as tristezas do dia a dia são muito claramente identificadas e, em geral, passageiras. Dessa forma, assim que a questão é resolvida ou melhor elaborada pela pessoa, a tristeza passa. Já o indivíduo deprimido pode ter dificuldades de associar algum fator desencadeante. “A depressão é mais duradoura e traz outros sintomas, tais como perda de apetite, alterações do sono, redução de libido, desânimo e diminuição de interesse em assuntos ou atividades que antes eram prazerosas. Em geral, há uma lentidão motora, mas pode haver agitação em alguns casos”, afirma a psicóloga e psicanalista Márcia Fraga.

Dia Mundial da Saúde é comemorado em 07 de abril

A depressão atinge homens e mulheres de todas as faixas etárias. Foto Shutterstock

Alguns tipos de depressão

Sazonal: acontece em uma determinada época ou estação do ano, geralmente no inverno e, inclusive, em festas de fim de ano. Uma das explicações para que esse tipo da doença se manifeste é em decorrência da ausência de luz, muito comum no inverno. Esse fator aumenta a produção de melatonina, hormônio que promove relaxamento e sonolência. Em excesso, ele pode levar o indivíduo à depressão. “Alteração de comportamento influenciada pelas mudanças de estação é mais comum no hemisfério norte, onde primavera, verão, outono e inverno são bem definidos”, esclarece o psiquiatra José Alberto Del Porto.

Psicótica: algumas vezes, é possível que a depressão venha acompanhada de quadros de delírios e alucinações. Quando isso acontece, a doença passa a ter o nome de depressão psicótica. Os sintomas estão muito relacionados aos sentimentos de culpa e de punição, e o doente tende a interpretar situações corriqueiras como defeitos pessoais. “A pessoa pode acreditar, por exemplo, estar com o fígado podre, ou com determinados órgãos ‘tomados por câncer’”, esclarece José Alberto Del Porto.

Pós-parto: pouco tempo depois do nascimento do bebê, a mulher com esse tipo de problema é tomada por uma tristeza que se intensifica cada vez mais, a ponto de incapacitá-la de realizar as tarefas comuns do dia a dia e, inclusive, cuidar do próprio filho. Isso pode acontecer por diversos motivos, mas, principalmente, porque o pós-parto é um período de deficiência hormonal, já que durante a gestação o organismo feminino está submetido a altos níveis de estrógeno e progesterona e, algumas horas após o parto, o nível destes hormônios cai drasticamente.

Atípica: mau humor, sensação de fadiga acentuada, aumento da massa corpórea e do apetite são sintomas comuns nesse quadro. Geralmente, essa versão da doença é caracterizada por pessoas com sensibilidade extrema, que têm a impressão de sofrer de rejeição alheia, também sendo muito comum nos transtornos bipolares.

Consultoria José Alberto Del Porto, psiquiatra

LEIA TAMBÉM:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.