Depressão pós-parto: principais sintomas, causas e tratamentos

É importante reconhecer a depressão pós-parto para que a mulher possa receber o tratamento adequado e os cuidados necessários

None
Foto: Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 10/11/2017 às 11:37
Atualizado às 13:47

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Apesar de a gravidez ser um momento de alegria para a maioria das mulheres, pelo menos 11% delas podem sofrer de depressão pós-parto ou, até mesmo, durante a gestação. Até um ano após do parto, essa taxa é de até 13%. Esse risco é maior entre mulheres com histórico da doença. Os sintomas podem ser confundidos com outros problemas, já que elas passam a ter que se dedicar intensamente ao bebê.

Sintomas da depressão pós-parto

A principal característica é o humor depressivo e a incapacidade de sentir prazer nas tarefas de rotina. Pode haver também alterações no sono, no apetite e na energia, além de irritação, diminuição da libido, lentidão, entre outros. “Esses sintomas podem ser persistentes e ter impacto negativo nas atividades da mulher, prejudicando sua qualidade de vida”, avalia a obstetra Roseli Nomura.

Tristeza x depressão

Para conseguir diferenciar a depressão nessa fase, é preciso se atentar para sinais de alerta, como a falta de capacidade de dormir quando o bebê está dormindo, perda de peso e de apetite e inexistência de prazer em se alimentar.

Causas

Não existem explicações claras sobre o que desencadeia a depressão. “Algumas teorias explicam que a prolongada exposição aos esteroides ovarianos durante a gestação poderia precipitar a depressão ou piorar uma depressão pré-existente”, explica.

Prevenção

A melhor forma é identificar as mulheres com risco para a doença e realizar diagnóstico precoce. Cabe ao médico investigar nas mulheres que já tiveram depressão se estão sentindo alterações de humor, apetite, prazer e o sentimento em relação aos seus bebês.

Tratamento

É feito com aconselhamento e suporte psicológico, com estratégias educativas feitas por profissionais treinados, que diminuem os sintomas depressivos.

Consequências

Se a mulher não receber tratamento adequado, pode afetar o contato com o bebê, prejudicando a amamentação. A criança corre o risco de ter sequelas físicas e mentais caso a depressão não seja identificada precocemente.

Texto: Redação Alto Astral

LEIA TAMBÉM

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.