ESTILO DE VIDA

Depressão pós parto: saiba o que fazer

Veja informações sobre as causas e o diagnóstico da doença

None

por Redação Alto Astral
Publicado em 11/12/2014 às 13:00
Atualizado às 10:29

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Falta de humor, insônia, alteração na qualidade do sono e do apetite, falta de energia, irritabilidade, diminuição da libido e perda da capacidade de sentir prazer são apenas algumas características de uma possível depressão pós-parto, um quadro que atinge de 7 a 13% das mulheres no primeiro ano após a gravidez. 

Quem já sofreu dessa doença tem mais chances de voltar a ser diagnosticada, tanto durante os nove meses quanto após o parto. Porém, também é importante ficar atento a outros fatores que podem evidenciar a depressão, como ideia de culpa e pensamentos suicidas. 

Foto: Thinkstock e Getty Images

Foto: Thinkstock e Getty Images

O motivo

Alguns dos fatores que podem desenvolver a depressão na mulher são:

– Estresse 
– Falta de apoio
– Violência doméstica
– Ansiedade materna
– Gravidez indesejada
– Baixa renda
– Baixa escolaridade
– Conflitos com o companheiro
– Histórico de depressão na família
– Perda gestacional anterior

+ Veja mais |  Depressão em casa: o papel da família

Segundo a obstetra Roseli Nomura não existem explicações claras da patogênese da depressão pós -parto. “Algumas teorias explicam que a prolongada exposição aos esteroides ovarianos durante a gestação poderia precipitar a depressão, ou piorar uma depressão pré-existente. A interação entre a susceptibilidade genética e os fatores estressantes maiores, juntamente com as variações hormonais, poderiam explicar a depressão pós-parto”, afirma.

+ Veja mais | Os diferentes tipos de depressão

O diagnóstico

Ela também explica que é muito importante não deixar os sintomas da depressão serem persistentes e causar impacto negativo nas atividades diárias da mulher, prejudicando sua qualidade de vida. “A principal estratégia para prevenir a depressão pós-parto é identificar as mulheres de risco e realizar o diagnóstico precoce, que permitirá as medidas terapêuticas apropriadas”, diz.

+ Veja mais | Advogada vence câncer e depressão com esporte

Neste período, Nomura aconselha as mulheres a ficarem atentas, principalmente as que já tiveram depressão. Alterações de humor, sono, apetite, prazer e sentimentos em relação ao bebê são alguns dos sinais

Essa prática serve para detectar precocemente o quadro clínico e evitar sequelas a saúde física e mental da mãe e da criança.

A depressão é um distúrbio afetivo que, imprescindivelmente, necessita de acompanhamento médico e tratamento adequado.  Muitas vezes ela pode, inclusive, prejudicar a interação entre a mãe e o bebê, dificultando o aleitamento materno. “O método mais eficaz para prevenir o transtorno é a adoção de hábitos de vida saudável”,  aponta Roseli.

+ Veja mais | Sucos contra o estresse e depressão