ESTILO DE VIDA

Depressão pós-parto: entenda como essa doença se manifesta

A depressão pós-parto é um problema que afeta muitas mulheres e se deve, principalmente, às alterações hormonais que ocorrem nesse período da vida

None
Foto Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 07/09/2016 às 20:18
Atualizado às 20:57

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Existe um tipo de depressão que afeta somente mulheres. “Não há causa específica para depressão pós-parto, mas em geral, sabemos as alterações físicas, emocionais e psicológicas que são apresentadas. De certo, para cada mulher terá uma causa ou um conjunto que explique os sintomas”, ressalta a psicanalista Elizandra Souza.

Mulher e filho, mãe e bebê, abraço, amor, fundo branco

Foto Shutterstock.com

Além das grávidas!

A psicanalista conta que esse problema também atinge mulheres que planejam engravidar. “Muitas que planejaram a gravidez sofrem com a doença, que normalmente não tem indícios durante o período de gestação – mas aquelas que têm histórico de depressão ou que apresentam dificuldades em lidar com perdas ou momentos decisivos merecem atenção especial”, explica Elizandra.

Primeiros sinais

Um dos primeiros sinais que a mulher apresenta é com relação à criança: “ela pode ficar triste, com raiva do mundo e, principalmente, com ódio da criança”, esclarece Elizandra. Em alguns casos, é necessário o afastamento do filho, para evitar que a mãe o maltrate.

Mulher, sozinha, sentada, triste, noite

Foto Shutterstock.com

Hormônios em pane

A psiquiatra Maria Cristina explica que isso acontece devido às alterações dos hormônios estrógeno e progesterona. Quando o primeiro está elevado, as mulheres ficam alegres e ativas, mas quando há queda desse hormônio, elas acabam cansadas e tristes. Essa variação constante as tornam mais suscetíveis ao transtorno depressivo.

Saiba mais:

Tristeza ou depressão?

5 rituais para espantar a tristeza

Bipolaridade: quando alegria e a tristeza são um excesso!

Consultoria Maria Cristina, psiquiatra; Elizandra Souza, psicanalista