Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), depressão ocorre duas vezes mais em mulheres

A psicóloga Lizandra Arita aponta um dos quadros que podem desencadear o quadro de depressão: "a mulher precisa se libertar do ideal de perfeição".

None
(Foto: Pixabay)

por Redação Alto Astral
Publicado em 11/10/2017 às 18:22
Atualizado às 12:17

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), para cada homem com depressão no mundo, existem duas mulheres que também enfrentam o problema. Entre as causas estão a sobrecarga de trabalho e a desvalorização, tanto no lar, quanto no ambiente profissional. Afinal, diante de uma cultura machista e patriarcal na qual vivemos, muitas delas ainda se veem presas à uma verdadeira maratona, a qual engloba afazeres domésticos, cuidar dos filhos, vida profissional, dar atenção ao relacionamento, academia, cursos e idas aos salões de beleza.

A psicóloga Lizandra Arita orienta que é fundamental que a mulher – estando ela com depressão ou não – aceite que não existe o ideal de “mulher perfeita”, mas sim a humana com suas próprias limitações. “As revistas femininas e os programas de TV costumam propagar este ideário. Uma mulher que possa conciliar toda a rotina doméstica, bem-sucedida profissionalmente e ainda estar dentro dos padrões de beleza”, comenta.

Na opinião da terapeuta, a sobrecarga da rotina doméstica, por exemplo, deve ser melhor administrada entre os integrantes da família: “O marido e os filhos precisam colaborar também nas tarefas de casa. Esse dever não cabe somente à esposa. Dizer ‘não’ para determinadas atividades e reconhecer as limitações físicas e emocionais é de suma importância para evitar o estresse”, aconselha a especialista.

Vale lembrar que mulheres de meia idade, entre 35 e 50 anos, passam por um período de alterações clínicas distintas, que pode decorrer de oscilações hormonais mais significativas, produção mais baixa dos hormônios ovarianos e irregularidades menstruais, culimando em alterações no sono, na memória e/ou no humor.

Segundo Lizandra, a mulher necessita se libertar da escravidão imposta a si mesmo. “Olhar para si não é sinônimo de egoísmo ou de quem abandonou as necessidades da família, mas sim um sinal de que também é humana e merece toda a atenção”, conclui a profissional.

LEIA TAMBÉM

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.