Depressão vai muito além da sensação de tristeza

O transtorno da depressão, além de afetar o funcionamento do organismo, permeia a cabeça do paciente com pensamentos de culpa e desesperança

None
Foto Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 05/12/2016 às 10:34
Atualizado às 12:53

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Diferentemente da tristeza, a depressão não é uma emoção momentânea, e costuma se prolongar por grandes períodos de tempo, carregando outros sintomas e afetando intensamente o cotidiano.

Depressão vai muito além da sensação de tristeza

Foto Shutterstock.com

Segundo a psicanalista Cristiane Vilaça, “a tristeza pode ser definida como uma dificuldade em lidar com uma perda, uma dor emocional, um certo estado melancólico, e ocorre quando somos privados de uma satisfação pessoal”.

Já para a depressão, a psicóloga e hipnoterapeuta Luciana Kotaka afirma que a tristeza é persistente e agrega muitas outras emoções. “A apatia, indiferença, falta de prazer nas atividades rotineiras são os indicadores mais comuns a serem observados”, explica.

Ciclo de negatividade

A incapacidade de se obter um retorno positivo das próprias ações desencadeia um estado de desânimo e, às vezes, isolamento. Os pensamentos e reflexões não conseguem trazer à tona aspectos agradáveis das atividades, sejam elas cotidianas ou a longo prazo. Essa perspectiva leva o paciente a enxergar as dificuldades de maneira muito mais intensa.

“Uma característica de quem tem depressão é a ruminação mental, em que os pensamentos vão e voltam com temas específicos e isso promove um desgaste de energia muito grande, potencializando os problemas”, ressalta a psicóloga Luciana.

Como as preocupações persistentes tendem a aprisionar e intensificar a percepção das dores, as pessoas depressivas que não possuem amparo externo acabam sendo levadas a atitudes extremas. De acordo com Cristiane, caso o indivíduo não encontre razões para continuar vivendo, pode passar a acreditar que o suícidio é a única maneira de pôr fim ao seu martírio.

A psicanalista ressalta que é importante as pessoas saberem que existem saídas para essa situação. “Particularmente, entendo que a terapia analítica é a que melhor proporciona ao indivíduo elaborar as questões em nível psíquico e, deste modo, entender os problemas que o atormentam”, finaliza a especialista.

LEIA TAMBÉM

Consultorias: Cristiane Vilaça, psicanalista; Luciana Kotaka, psicóloga e hipnoterapeuta.

Texto: Angelo Matilha Cherubini/Colaborador – Entrevista: Augusto Biason/Colaborador e Ricardo Piccinato – Edição: Augusto Biason/Colaborador