Depressão: transtorno afeta a mente do paciente de maneira drástica

O transtorno da depressão, além de afetar o funcionamento do organismo, permeia a cabeça do paciente com pensamentos de culpa e desesperança

None
Foto Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 04/12/2016 às 10:13
Atualizado às 12:52

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

As consequências da depressão na saúde se apresentam na estrutura física e química do organismo. Esse processo se reflete de maneira drástica na mente do indivíduo, que passa a ser induzido a perspectivas extremamente negativas e prejudiciais ao seu estado psicológico. Diversos estudos têm apontado os pensamentos que permeiam a cabeça de uma pessoa depressiva, e vale sempre ressaltar que eles vão muito além da sensação de tristeza.

Depressão vai muito além da sensação de tristeza

Foto: Shutterstock.com

Sentimento de culpa

É comum que o quadro depressivo passe despercebido aos olhos de quem está próximo. Muitas vezes, o paciente não transpassa seus sentimentos, contudo, o quadro depressivo pode o levar a pensar que não existem razões para levar a vida adiante.

A mente de alguém com depressão, quando afetada pela falta de panoramas positivos, trabalha em um constante ciclo de culpa. Se algo dá errado, é comum que se atribua a razão daquela decepção inteiramente a si, sendo corriqueiros pensamentos como: “nada do que eu faço dá certo”, ou o sentimento constante de fracasso.

Vida cinza, literalmente

Pesquisadores da Universidade de Friburgo, na Alemanha, descobriram uma relação entre a depressão e a percepção das cores. Após analisar as respostas elétricas da retina de 80 pessoas – das quais 40 conviviam com quadros de depressão –, o estudo publicado na Biological Psychiatry apresentou que os portadores do transtorno eram afetados de maneira limitada pelos contrastes. Essa limitação prejudica a contraposição entre o branco e o preto, fazendo com que os depressivos realmente enxerguem o mundo em tons mais acinzentados.

LEIA TAMBÉM

Consultorias: Cristiane Vilaça, psicanalista; Luciana Kotaka, psicóloga e hipnoterapeuta.

Texto: Angelo Matilha Cherubini/Colaborador – Entrevista: Augusto Biason/Colaborador e Ricardo Piccinato – Edição: Augusto Biason/Colaborador