Depressão pode ser identificada por qualquer médico; conheça os sintomas

Importante passo para a recuperação do paciente, o diagnóstico da depressão pode ser feito por médicos de diversas especialidades

None
Foto: Shutterstock Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 15/03/2017 às 11:42
Atualizado às 13:38

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A identificação do estado de depressão é feita baseada nos relatos dos pacientes. Um dos métodos utilizados é a partir da aplicação de questionários, como os recomendados pelas organizações americanas. Nos Estados Unidos, inclusive, há modelos padronizados, que podem ser aplicados inicialmente por médicos de assistência básica.

Depressão pode ser identificada por qualquer médico; conheça os sintomas

Foto: Shutterstock Images

Já no Brasil, esses questionários, traduzidos do inglês, também são utilizados, mas apenas quando há uma suspeita inicial ou como acompanhamento de pesquisas científicas. Por aqui, o diagnóstico completo é realizado por um profissional de qualquer área durante uma consulta médica. “O médico deve encaminhar para o psiquiatra, que é o especialista indicado para tratar doenças emocionais e mentais”, explica a psiquiatra Maria Cristina de Stefano.

A partir disso, a pessoa deprimida passa a relatar as ocorrências relacionadas à doença. “Ela informa ao psiquiatra quais são seus sentimentos, pensamentos, sofrimentos emocionais, desde quando começou a se sentir assim, se já sofreu outros episódios e outras informações que possam ajudar no melhor diagnóstico e, consequentemente, no melhor tratamento”, completa.

Sintomas

A mais nova versão do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM- 5), o principal guia para profissionais da área da saúde mental, possui critérios utilizados para o diagnóstico e classificação dos estados depressivos.

Para o reconhecimento da depressão, o paciente precisa ter experimentado cinco ou mais dos seguintes sintomas por, pelo menos, duas semanas. Além disso, necessariamente, ao menos uma das manifestações A e B deverá estar presente:

  • Humor deprimido e desesperança na maioria dos dias;
  • Perda de interesse ou prazer em atividades, na maior parte dos dias, que antes eram prazerosas.
  • Acentuada perda ou ganho de peso ou de apetite;
  • Insônia e sonolência excessiva;
  • Agitação ou retardo psicomotor observáveis por outros;
  • Cansaço e falta de energia para realizar as tarefas mais básicas;
  • Excessivo sentimento de culpa e inutilidade;
  • Dificuldade de concentração, de pensar e de tomar decisões;
  • Recorrentes pensamentos suicidas e de morte.

LEIA TAMBÉM

Consultoria: Maria Cristina de Stefano, médica psiquiatra.

Texto e edição: Augusto Biason/Colaborador – Entrevista: Ricardo Piccinato

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.