Depressão é mais comum em pessoas que já tiveram doenças neurológicas

Por se tratar de um mal funcionamento das estruturas cerebrais, a depressão pode ser desencadeada por doenças neurológicas prévias

None
FOTO: Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 27/11/2016 às 13:36
Atualizado às 12:41

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Do ponto de vista da neurociência, um quadro de depressão pode ser desencadeado a partir do momento em que duas estruturas cerebrais não trabalham em harmonia, como cita o médico neurologista e neurocientista Martin Portner. “Uma é a amígdala cerebral, que permanece excessivamente ativa, e a outra, o córtex pré-frontal, trabalha abaixo do esperado. Essas duas estruturas mantêm estreito funcionamento e, além disso, regulam outras áreas cerebrais responsáveis por motivação, apetite, sexualidade e comportamento social”, explica o profissional.

Depressão é mais comum em pessoas que já tiveram doenças neurológicas

FOTO: Shutterstock.com

Não há como apontar uma única estrutura “culpada” em relação aos transtornos depressivos no cérebro, uma vez que o distúrbio é fruto da ação conjunta de várias alterações no órgão.

No entanto, a neurociência já é capaz de indicar as áreas que mais são afetadas pelo mal. Dentre elas, o professor de neurologia Victor Fiorini destaca “o sistema límbico, responsável pelas emoções, formado por estruturas como o hipocampo, a amígdala, o tálamo e o giro do cíngulo. Outras estruturas frequentemente acometidas são os lobos frontais e os núcleos da base”.

Isso, segundo o profissional, pode indicar o aparecimento mais comum da depressão em indivíduos que já passaram por alguma doença neurológica, como o acidente vascular cerebral (AVC). “Vítimas de derrame no cérebro têm maior risco de, no futuro, desenvolverem depressão, por conta da perda de neurônios nas regiões cerebrais citadas. Mas não confunda: depressão não significa que a pessoa esteja tendo um AVC”, ressalta Victor.

LEIA TAMBÉM

Texto e entrevistas: Giovane Rocha/ Colaborador – Edição: Augusto Biason/ Colaborador

Consultorias: Martin Portner, médico neurologista e mestre em neurociência pela Universidade de Oxford, na Inglaterra; Victor Celso Cenciper Fiorini, professor de neurologia do curso de medicina do Centro Universitário São Camilo.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.