Crianças e músicas: a conexão que influencia no desenvolvimento e aprendizado

Seja na infância ou mesmo durante a gestação, a musicalidade estimula e aflora aspectos cognitivos, sociais e emocionais nas crianças

None
(Foto: Pixabay)

por Redação Alto Astral
Publicado em 24/08/2017 às 14:49
Atualizado às 13:44

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A infância é o período em que se aprende grande parte das coisas que são levadas para a vida. Não à toa, cientistas relatam que a estimulação que bebês e crianças pequenas recebem nesse período determina quais circuitos cerebrais serão ligados entre si. Quando uma conexão é usada repetidamente nos primeiros anos, ela se torna permanente – e isto influencia no desenvolvimento intelectual e afetivo da criança. As experiências musicais na fase infantil possuem grande importância para o desenvolvimento de habilidades em diversas áreas. “Por meio da música, as crianças aprendem a conhecer a si próprias, aos outros e à vida e são mais capazes de desenvolver e sustentar a sua imaginação e criatividade”, explica a cantora e professora de musicalização Fabiana Godoy.

Na gestação

O desenvolvimento cognitivo, social e emocional de uma pessoa começa a partir do útero e se dá por meio das sinapses – conexões que os neurônios fazem entre si. Embora várias partes do cérebro se desenvolvam em velocidades diferentes, estudos mostram que o período de produção máxima das sinapses começa ainda no útero e segue até os três anos de idade.

Por volta do quinto mês de gestação, os bebês já possuem o aparelho auditivo desenvolvido e, ao estimular seus órgãos, a atividade cerebral é aumentada. É por isso que, nesta fase, segundo Fabiana, os pais e mães podem – e devem – oferecer ao bebê contato com músicas, proporcionando um ambiente musical de qualidade na rotina das crianças. “O cérebro do bebê floresce com os estímulos de seu meio ambiente”, destaca a profissional.

Efeitos no cérebro

A música faz com que o cérebro libere endorfinas e serotoninas, proporcionando prazer e sensação de bem-estar. Ela fala diretamente com a região responsável pelas emoções e pode ser usada no combate de diversos problemas de saúde como ansiedade e dores crônicas. Reconhecendo o poder da música, surgiu a musicoterapia, prática que utiliza músicas, sons e movimentos com fins terapêuticos.

Além disso, sabe-se também que a música facilita a conectividade de áreas cerebrais envolvidas com processos motores e de linguagem – seja tocando um instrumento ou simplesmente ao apreciar ativamente uma canção. “Crianças que têm contato frequente com a música desenvolvem habilidades no desenvolvimento auditivo, motor, cognitivo, social, da atenção, autoestima, da memória e dos raciocínios lógico e abstrato”, explica Fabiana.

Benefícios do som

Os estudos relacionados com a influência da música no desenvolvimento infantil mostram diversos efeitos. Uma pesquisa realizada pela Universidade Long Island, nos Estados Unidos, avaliou, em duas escolas, grupos de crianças que estudavam piano. O acompanhamento durou três anos e, durante esse tempo, foram feitas comparações com alunos que nunca praticaram estudo musical. O resultado sugeriu que as crianças que aprendiam música possuíam um vocabulário mais amplo e melhor do que as demais.

A proximidade da música e a absorção de informações, isto é, o aprendizado, também é evidente. Pesquisadores da Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos, analisaram alunos que receberam aulas de música e perceberam que, ao realizar testes de proporções e frações, apresentavam resultados de 15% a 41% superiores em relação às outras crianças.

Além dos inúmeros pontos a favor no desenvolvimento cerebral, a combinação de ritmo, melodia e harmonia também ajuda a fortalecer a relação afetiva entre as pessoas. “Os bebês precisam de ambientes interessantes para explorar, com pessoas que respondam às suas necessidades emocionais e intelectuais. É necessário cantar para eles, conversar, embalar e ler. As canções e as músicas desenvolvem a capacidade cerebral dos bebês, fazem parte das unidades básicas do aprendizado futuro”, analisa Fabiana.

LEIA TAMBÉM

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.