Crianças desobedientes? Veja a importância de criar regras

Entenda porque é importante criar regras para os filhos pequenos

None
FOTO: Shutterstock Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 29/08/2016 às 12:15
Atualizado às 13:12

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Como lidar com as regras e as crianças desobedientes? Na infância é que se forma o caráter das pessoas. É também nessa fase que se aprende a lidar com as regras da sociedade. Saiba como ensinar o seu filho para a vida toda.

Cuidar do material escolar, arrumar os brinquedos e objetos pessoais. Como ensinar isso às crianças de três a seis anos? A tarefa pode parecer difícil à primeira vista. Mas não é. Basta atenção, disponibilidade de ensinar e muito amor. Tudo isso é parte de um aprendizado.

Não pense que não vão gostar. Encare como uma novidade. Os pequenos são espertos e aprendem bem rápido. Segundo a psicóloga Márcia Infante Vieira, as regras são importantes porque vão construir um mundo seguro, de proteção para as crianças. “Vivemos um momento ideal de felicidade. Os pais querem que seus filhos sejam felizes, e acabam recuando a qualquer sinal de frustração que provoquem neles. Impor regras frustra e os pais acham que estão fazendo mal aos filhos. Mas as frustrações não fazem mal. Pelo contrário, elas acabam capacitando e preparando a criança para o mundo, porque, afinal, o mundo tem regras e frustrações.”

Veja com ensinar seu filho a seguir regras

FOTO: Shutterstock Images

Aprendendo a dividir

Quando o pequeno entra na escola, verá que não é único. Todos os alunos vão disputar a atenção da professora e terão uma série de regras a cumprir. Existem horários para brincar, para se alimentar, dormir ou desenhar. “Os pais não devem se assustar se a criança tiver uma reação desagradável. É natural que ela tenha essa reação quando se sente frustrada, que pode ser choro ou pirraça. Os pais acham que estão fazendo algo de errado porque o filho não está se sentindo bem”, explica Márcia. Mas, com o decorrer da adaptação, essa criança vai se entrosar ao grupo e essa sensação de frustração desaparecerá e dará lugar ao prazer de dividir as brincadeiras com os amiguinhos.

SAIBA MAIS

5 aplicativos infantis para entreter e educar seus filhos

Ter um cachorro melhora a vida de uma criança com autismo

Mudanças sociais

Falar de regras nos dias de hoje é mostrar as mudanças sociais, que ocorreram nas famílias na últimas décadas. Até pouco tempo atrás, a mãe tinha um papel central na educação dos filhos, devido a uma maior proximidade com eles. Mas, com a entrada da mulher no mercado de trabalho, as mudanças começaram. A mãe hoje também busca seu próprio prazer e suas realizações profissionais. Então, a tarefa de ditar regras ficou mais difícil. Com o acúmulo de funções, aliado ao fato de querer que seu filho seja feliz, a mãe acaba não querendo causar qualquer frustração nele. “Mães cansadas após um dia de trabalho não querem bater de frente com os filhos. Por sua vez, os pais separados também não querem se estressar nos finais de semana, em que ficam com os filhos, ditando regras disso ou daquilo.”

Brincadeira educativa

Uma boa maneira de ensinar regras às crianças é fazer junto. “Dizendo a elas: vamos guardar os brinquedos com a mamãe. Tudo pode começar de forma lúdica. Na hora do banho, dar um brinquedo. Os pais não podem exigir nada absurdo da criança. O importante é que ela tenha prazer no que estiver fazendo, seja se comportando bem nas refeições ou durante o banho. Pais que privilegiam estes momentos, certamente terão filhos que se alimentam melhor e provam novas comidas sem problemas”, ensina a psicóloga. Não adianta dizer que uma coisa é boa, e deixar a criança abandonada. “Se os pais exigem disciplina e cuidado, e não têm com as próprias coisas, vai valer mais o que eles fazem do que o que falam para os filhos. E ainda cria confusão com a dupla mensagem”, esclarece a especialista.

Consultoria: Márcia Infante Vieira, psicóloga
Matéria publicada na revista Guia do Bebê Fisher Price, da Editora Alto Astral.
Revisão: Mariana Kohlrausch

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.