Câncer: consumo regular de couve é capaz de prevenir a doença

Quando o assunto é câncer, a couve pode ajudar! É possível diminuir as chances de desenvolver a doença por conta do alto poder antioxidante da hortaliça!

None
FOTO: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 25/01/2017 às 12:57
Atualizado às 13:14

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Sabia que é possível diminuir as chances de desenvolver câncer por conta do alto poder antioxidante da couve? “Alimentos ricos em vitaminas A, C e E, como a própria couve, estão exaustivamente relacionados em estudos no mundo todo como protetores nos processos oxidativos. Outros componentes também encontrados em frutas e hortaliças são considerados anticarcinogênicos, como as fibras e o selênio”, afirma a médica do Hospital Amaral Carvalho, Rita Maria de Andrade Budin.

alimentação-câncer-saúde-couve

Foto: Shutterstock

Os radicais livres

O termo antioxidante significa que o alimento possui propriedades que atuam contra a oxidação celular, provocada pelos radicais livres, moléculas que se formam ao mesmo tempo em que o organismo transforma o oxigênio do ar em energia para o corpo se manter em funcionamento. Como se nota, embora possam parecer vilões nessa história, os radicais livres desempenham importante função. “No entanto, em quantidades excessivas, são responsáveis por processos patológicos, podendo destruir membranas celulares como o DNA. O estresse oxidativo e a inflamação são fatores de risco para doenças degenerativas crônicas crescentes na população, como diabetes, doenças cardíacas e câncer, além do envelhecimento precoce”, alerta a nutricionista Greice Caroline Baggio. Entre os fatores que podem aumentar indevidamente a exposição do corpo aos radicais livres estão: má alimentação, poluição, estresse, produtos tóxicos, raios ultravioleta e até mesmo o excesso de exercícios físicos.

Contra-ataque

Por si só, o organismo já é capaz de se precaver dos radicais livres. As enzimas SOD, catalase e glutationa peroxidase são exemplos de antioxidantes endógenos, ou seja, produzidos naturalmente pelo corpo. Já os antioxidante exógenos devem provir da alimentação. “Inicialmente, havia evidências de que pessoas que consumiam mais frutas e verduras apresentavam menores riscos de câncer e de doenças cardiovasculares. Na busca de explicações para esse fato, observou-se que substâncias contidas nas frutas e verduras poderiam diminuir a oxidação passiva de moléculas de DNA e, com isso, reduzir a probabilidade da transformação inapropriada das células”, explica o médico ortomolecular Antonio Fernandez. No que se refere à couve, duas vitaminas em especial garantem seu potencial antioxidante.

A primeira delas é a vitamina A, também conhecida como retinol, que se transforma em ácido retinoico e atua especialmente na região dos olhos, na pele e nas mucosas. Na couve, ela tem a companhia da vitamina C, aquela famosa por prevenir gripes e resfriados, também importante para a produção de colágeno, proteína que garante firmeza à pele, músculos e cartilagens, além de ser importante na formação da estrutura de qualquer célula.

Preparar o suco de couve combinado com outras verduras antioxidantes (abóbora, berinjela, tomate) fica ainda melhor para garantir saúde.

LEIA TAMBÉM

Consultoria: Antonio Fernandez, médico ortomolecular; Rita Maria de Andrade Budin, médica do Hospital Amaral Carvalho
Texto: Redação Alto Astral

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.