Entenda como a meditação influencia seu cérebro

A meditação pode ser muito benéfica para o cérebro, uma vez que ajuda a combater a ansiedade e o estresse, além de melhorar capacidades cognitivas

None
FOTO: Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 15/12/2016 às 12:15
Atualizado às 12:57

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Um estudo de 2011, liderado por pesquisadores da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, demonstrou que meditar diariamente por oito semanas foi o suficiente para ocorrerem mudanças consideráveis no cérebro. A pesquisa levou em conta os resultados de 16 participantes, que realizavam uma média de 27 minutos de meditação por dia.

A amígdala, grupo de neurônios que exerce papel importante na ansiedade e no estresse, teve uma diminuição de densidade na matéria cinzenta. Outra região afetada foi o hipocampo, que sofreu um aumento na estrutura neural. Essa área tem função em processos como a aprendizagem, a memória e a compaixão.

silhueta mulher meditação

FOTO: Shutterstock.com

Segundo o neurologista e especialista em mindfulness Martin Portner, esses resultados são palpáveis no dia a dia. “Quase todas as áreas cerebrais se tornam alvo de um processo de reorganização positiva guiado pela meditação. Além disso, o cérebro muda em relação aos comportamentos prossociais. Os neurônios espelho, adaptados para reproduzir os sentimentos de outro ser humano em nós mesmos, nos empoderam com a qualidade da empatia”, completa o profissional.

Portner esclarece que essas mudanças agem em duas frentes poderosas dentro da disposição cerebral: a primeira diz respeito às camadas mais externas do cérebro, onde os meditadores apresentam uma maior densidade cortical. Nestas, alojam-se “os neurônios articuladores do pensar, sentir, decidir e prosperar”, conforme expõe o especialista.

Além disso, a ínsula e o córtex cingulado se mostram mais robustos nos praticantes de meditação. Essas regiões, segundo Portner, “são fundamentais para integrar os impulsos emocionais com a autoconsciência (como quando nos perguntamos ‘por que estou sentindo isto, neste momento?’) e mediar um processo de decisão de maior significado”.

A segunda perspectiva envolve o fortalecimento de uma membrana chamada mielina, que reveste os neurônios e permite uma articulação mais veloz.

LEIA TAMBÉM

Texto e entrevista: Angelo Matilha Cherubini/Colaborador – Edição: Giovane Rocha/Colaborador

Consultoria: Martin Portner, neurologista

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.