ESTILO DE VIDA

Jogos de videogame: entenda como eles agem no cérebro

Jogos de videogame têm uma influência muito maior sobre seu cérebro do que você pensa. Porém, ao contrário do senso comum, a maioria delas é positiva

None
FOTO: iStock.com/Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 16/01/2017 às 09:34
Atualizado às 17:03

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Simples jogos de videogame podem ativar diferentes áreas do nosso cérebro ao mesmo tempo. Atuando de forma integrada, elas trabalham para que o jogador supere os desafios e chegue até o final. Por outro lado, a mente fica mais afiada e capaz de resolver questões também fora das telas.

Usando a lógica

Responsável pela tomada de decisões, essa região do cérebro dos gamers é bastante utilizada em jogos que envolvem pensamento lógico, como os quebra-cabeças.

Um estudo publicado pela revista PlosOne mostra uma pesquisa feita em 2014 em que 152 adolescentes foram submetidos à ressonância magnética enquanto jogavam.

menino jogando jogos videogame

FOTO: iStock.com/Getty Images

Os resultados desse experimento mostraram um efeito significativo dos games eletrônicos sobre o crescimento da espessura do córtex pré-frontal dorsolateral esquerdo (DLPFC). “O DLPFC se relaciona com as chamadas funções executivas, como a memória operacional, flexibilidade cognitiva, planejamento, a inibição comportamental e o raciocínio abstrato. É o núcleo do controle executivo e planejamento estratégico do cérebro, domínios cognitivos fundamentais para o sucesso nos games”, explica Tiago.

Coordenação

O campo visual do lobo frontal esquerdo está envolvido na integração visual e motora, ou seja, na chamada “coordenação mão-olho”. Ela é importante para a elaboração e execução dos movimentos oculares e alocação da atenção visuoespacial.

Fator essencial dos jogos

O sistema límbico apresenta estruturas relacionadas ao circuito de recompensa, o que compõe basicamente a essência de um jogo eletrônico: conquistar um novo item, vencer um chefe de fase, superar um obstáculo até então intransponível, entre outros desafios impostos.

Tais situações ativam diferentes áreas cerebrais que compõe a chamada via mesolímbica, uma das vias dopaminérgicas do cérebro. “Iniciada na área tegmental ventral do mesencéfalo, esta via estabelece conexões com o sistema límbico por meio do núcleo accumbens, a amígdala e o hipocampo, e também com o córtex pré-frontal”, ressalta o mestre em psicobiologia Tiago Eugênio.

Ela ainda é encarregada da modulação das respostas comportamentais aos estímulos que ativam sensações de recompensa por meio da dopamina, neurotransmissor responsável pelo prazer.

LEIA TAMBÉM

Texto e entrevista: Thiago Koguchi – Edição: Giovane Rocha/Colaborador

Consultoria: Tiago Eugênio, mestre em Psicobiologia pela UFRN, doutorando em Psicologia Evolucionista na UFRN e de Design de Games na School of Art, Game and Animation e professor de Biologia do Colégio Bandeirantes e da pós-graduação em Neuroeducação da rede Capacitar