Entenda por que a fratura de fêmur em idosos é comum e saiba como evitar

A fratura de fêmur pode ser um problema recorrente na terceira idade, visto que os ossos enfraquecem naturalmente com o tempo. Porém, existem prevenções recomendadas por especialistas para evitar acidentes e garantir o bem-estar. Conheça os tipos de fraturas no fêmur e muito mais sobre esse tipo de lesão

None
Foto: Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 06/02/2018 às 12:30
Atualizado às 12:30

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Com a chegada de uma idade mais avançada, alguns fatores relacionados à saúde se tornam mais carentes de atenção, principalmente aqueles relacionados a maior fragilidade do corpo humano, como a fratura de fêmur.

De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT), mais de 30% das pessoas idosas sofrem, no mínimo, uma queda no ano e, segundo o ortopedista Sérgio Costa, “um terço dos que fraturam o colo do fêmur pode falecer um ano após o ocorrido”.

O especialista ainda firma que nas mulheres, após o período da menopausa, a consequente redução na produção do hormônio estrogênio (responsável por evitar a descalcificação), aumenta as chances do desenvolvimento da osteoporose. Com esse agravante, “são comuns as fraturas em determinados ossos do corpo, entre eles, o fêmur, em sua parte superior, próxima ao quadril”, explica Costa.

Visto a gravidade que um simples descuido seguido de uma queda pode causar, saiba mais a seguir sobre a fratura de fêmur, como evitá-la e, assim, garantir uma maior bem-estar no dia a dia.

Tipos de fratura de fêmur

Precauções

Sendo as quedas as principais causadoras das fraturas de fêmur em idosos, saber os fatores de risco é importante para ficar a frente com os cuidados e evitá-las. Para isso, Sérgio Costa separa os agravadores em internos e externos.

Na primeira categoria, o profissional cita problemas como os relacionados à saúde da pessoa, dificuldades de visão, Parkinson, traumas e lesões nos joelhos, entre outros.

Já em relação aos fatores externos, ou seja, aqueles podem ser ajustados no dia a dia, o ortopedista frisa o cuidado com costumes como andar de salto alto, usar calçados com um solado mais liso, instalar corrimão em escadas e ter uma boa iluminação nos ambientes internos. Além dessas precauções, Sérgio Costa ainda indica a prática de exercícios físicos para se livrar do sedentarismo.

A volta por cima

Mesmo com as diferentes adversidades que uma fratura de fêmur pode causar, atualmente, a medicina proporciona opções cirúrgicas para superá-las. “Em caso de implantes, geralmente, são utilizadas placas, parafusos, hastes intramedulares ou próteses, sejam elas totais ou parciais”, aponta Sérgio.

Segundo o médico, há diferentes tipos de implantes, cada qual com suas particularidades. Dependendo do caso, há a substituição do osso por uma prótese de metal. Em outros quadros, existe a necessidade de “somente fixar o osso quebrado com as placas e parafusos ou mesmo hastes, mantendo-se o osso natural”.

Assim, conforme o implante escolhido no tratamento, o próximo passo é a reabilitação, sendo mais precoce para aqueles com próteses. Já para os que receberam placas e parafusos, é preciso esperar a cicatrização (cerca de dois ou três meses segundo Costa) para que o osso suporte o peso do corpo nos exercícios de recuperação.

LEIA TAMBÉM

Texto e entrevista: Giovane Rocha

Consultoria: Sérgio Costa, ortopedista com especialização em cirurgia de joelho, artroscopia e próteses e pós-graduado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) em ortopedia e traumatologia.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.