Colesterol: entenda a contradição que envolve essa gordura

Apesar de perigoso quando encontrado em grandes quantidades, o colesterol é essencial para o bom funcionamento do corpo humano. Aprenda sobre essa gordura!

None
Foto: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 01/12/2016 às 12:30
Atualizado às 12:51

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A hipercolesterolemia (colesterol alto) atinge mais de 30% dos brasileiros, segundo dados do Ministério da Saúde. Só de ouvir falar no problema, muita gente se assusta, mas nem todo mundo sabe sobre os perigos que ele representa: 85% dos paulistas, por exemplo, não consideram o colesterol um fator de risco para doenças cardíacas, principal causa de mortes no mundo.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Mas o que é o colesterol?

“É um tipo de gordura que se liga a proteínas para circular no sangue”, responde o cardiologista Américo Tângari Jr. Formam-se, então, as lipoproteínas – as mais conhecidas são a LDL (lipoproteína de baixa densidade) e a HDL (de alta densidade).

Mal necessário?

Apesar dos prejuízos que o colesterol pode causar, ele exerce funções importantes no organismo. Portanto, é fundamental controlar as taxas para que a substância possa realizar seu trabalho sem provocar danos. Dentro do limite, o colesterol é necessário para a síntese de hormônios, age na cicatrização, em reservas energéticas e está presente nas membranas das células do corpo, facilitando a entrada e a saída de substâncias. Nos neurônios, ajuda a acelerar as transmissões de impulsos nervosos. Importante para as funções vitais, cerca de 70% do colesterol que circula no organismo é produzido pelo fígado. Os outros 30% provêm da alimentação.

Entenda as siglas

O LDL é conhecido como “colesterol ruim”, enquanto o HDL é considerado o “bom colesterol”. Ganharam esses apelidos porque o LDL é a lipoproteína responsável por levaro colesterol produzido no fígado para todas as partes do corpo. “Em excesso, o LDL acarreta aumento dos níveis de gordura na corrente sanguínea e consequente deposição nas paredes dos vasos”, explica o cardiologista. Já o HDL funciona como faxineiro, recolhendo o colesterol em excesso e levando-o de volta ao fígado. “Ele ajuda a limpar a parede dos vasos sanguíneos”, afirma a cardiologista Isa Bragança.

Triglicérides: guarde esse nome!

Alimentos colesterol triglicérides

Foto: Shutterstock

Além de dar a devida atenção às taxas de colesterol, é de extrema importância preocupar-se com um outro elemento, muitas vezes esquecido: o triglicérides, fonte de energia para o organismo mas que, acima dos limites, pode causar tantos prejuízos quanto o alto colesterol. “Os triglicerídeos, também denominados triglicérides, são moléculas lipídicas que, tal como o colesterol, circulam na corrente sanguínea e são oriundos da alimentação e também produzidos pelo fígado”, explica a cardiologista. Estão presentes em qualquer alimento gorduroso e os carboidratos simples, como açúcar, farinha refinada e bolachas, facilitam a absorção dos triglicérides. A ingestão de álcool também é um fator que desencadeia o aumento das taxas.

A substância é o resultado da combinação de uma molécula de glicerol com três ácidos graxos (daí o nome triglicé- rides) e é transportada para os tecidos pela VLDL, lipoproteína de densidade muito baixa que o fígado produz, especialmente para essa função.

Gordura visível

“Os triglicérides em excesso se depositam nos tecidos adiposos do corpo, o que faz com que a massa gorda aumente”, revela Isa. Ou seja, barriga saliente pode ser resultado de altos níveis dessas substâncias no organismo. Mais do que um problema estético, o acúmulo de gordura abdominal pode representar perigo à saúde cardíaca. “A obesidade abdominal tem relação com a resistência à insulina e associa-se a fatores de risco como hipertensão arterial, diabetes e dislipidemia”, destaca o cardiologista Marco Antônio de Mattos.

Coração e cérebro ameaçados

Alto nível de triglicérides em jejum é tão perigoso quanto o excesso de colesterol. É o que aponta um estudo realizado na Dinamarca e publicado na revista Annals of Neurology. De acordo com a pesquisa, o nível descontrolado de triglicérides aumenta os riscos de acidente vascular isquêmico, em que uma artéria é entupida por placas de gordura. “O excesso de triglicérides deposita-se nas paredes das artérias, dificultando a circulação sanguínea e aumentando acentuadamente o risco de doenças cardiovasculares”, destaca Isa.

Texto: Redação Alto Astral

Consultoria: : Américo Tângari Jr; Isa Bragança; Marco Antônio de Mattos, cardiologistas

LEIA TAMBÉM: