ESTILO DE VIDA

Colesterol alto? Confira 5 alimentos que ajudam a diminuir as taxas

Além dos remédios, o colesterol alto pode - e deve! - ser controlado através da alimentação. Confira 5 alimentos que ajudam a manter as taxas controladas.

None
Foto iStock.com/Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 22/08/2016 às 20:13
Atualizado às 20:59

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Em grande parte dos casos, modificar a alimentação é o suficiente para equilibrar as taxas de colesterol. Outros tantos benefícios são ganhos com os cuidados na dieta. Com o consumo de alimentos saudáveis é possível prevenir tumores, problemas cardiovasculares, de digestão, ganhar mais energia e, é claro, manter o peso ideal. A seguir, conheça 5 alimentos que ajudam a manter as taxas sob controle.

Salmão, azeite, alho, abacate, nozes, verduras

Foto iStock.com/Getty Images

Azeite

Ômega 3 e ômega 9 são as chamadas “gorduras do bem”, presentes em peso no óleo extraído das azeitonas, que também é rico em compostos fenólicos. Essas substâncias antioxidantes previnem a formação de placas de gordura nas artérias, enquanto os ômegas reduzem o LDL, o colesterol ruim, e aumentam o HDL, o bom. O azeite ainda fortalece os ossos, previne tumores e envelhecimento precoce. Na hora da compra, escolha o do tipo extravirgem, que não é misturado a outros óleos e é extraído das azeitonas em prensagem a frio – assim, preserva melhor os nutrientes.

Linhaça

Além das gorduras benéficas, essa semente é repleta de fibras solúveis e insolúveis. As primeiras, em contato com água durante a digestão, formam um gel viscoso que reduz a absorção de gorduras e açúcares pelo organismo, equilibrando o colesterol e a glicemia. Também ocupam parte do estômago, prolongando a sensação de saciedade e, por isso, é uma ótima aliada do emagrecimento. Já as insolúveis chegam ao intestino intactas e auxiliam no funcionamento do órgão, prevenindo e combatendo a prisão de ventre. Prefira comprar as sementes inteiras em vez da farinha pronta e triture quando chegar em casa.

Peixes

Mais gorduras poli-insaturadas e menos gorduras saturadas: essa é a vantagem dos peixes em relação a outros tipos de carne. Eles deviam ser consumidos pelo menos duas vezes por semana, mas o brasileiro ainda aproveita pouco de seu extenso litoral. Diferente das carnes vermelhas, quanto mais gordo o peixe for, melhor. É por isso que salmão, atum, sardinha, arenque e outros peixes de água fria são ótimas opções: estão repletos de ômega 3, que controlam as taxas de colesterol. Também fornecem potássio, que regula a pressão arterial.

Saiba mais:

Combata o Alzheimer com peixes e frutos do mar

4 dicas para ter uma alimentação equilibrada

Você sabe quais são os exames necessários para o coração?

Castanhas

A gordura presente nas oleaginosas é benéfica! Mas por serem tão ricas nessas gorduras, nozes, castanhas, pistache, amêndoas e outras oleaginosas também são bastante calóricas; por isso, poucas unidades por dia são o suficiente para obter os benefícios. A castanha-do-pará, em especial, é ótima fonte de selênio, mineral que previne o envelhecimento precoce. Apenas uma unidade é capaz de suprir a necessidade diária do nutriente. E, se consumido em excesso, pode se tornar tóxico, exercendo o efeito contrário no organismo: aumentando a produção de radicais livres. Por isso, se não conseguir parar em uma castanha só, consuma, no máximo, três unidades.

Abacate

Mais uma vez, o nutriente herói aqui é o ômega 3. Por ser muito gorduroso, o abacate ficou longe da mesa de muita gente, sendo considerado um vilão da saúde. Mas basta consumi-lo com moderação para que sejam adquiridos somente os benefícios da fruta, que controla a pressão arterial e as taxas de colesterol, fortalecendo o coração. Também possui vitamina E, que age como antioxidante, prevenindo a aterosclerose; e vitamina A, que previne problemas de visão e de pele.