Entenda o que é codependência emocional e descubra se você está vivendo uma

O relacionamento de Guilherme e Gabi Martins do BBB20 levantou questões sobre relacionamentos abusivos e codependência emocional

None
Foto: Divulgação/BBB

por Vítor Ferreira
Publicado em 05/03/2020 às 16:46
Atualizado às 16:46

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Alguma vez você já pensou ser uma pessoa difícil de ser amada? Ou se relacionou com alguém que nunca estava satisfeito com a relação e vivia cobrando atitudes suas? E já se sentiu insuficiente, como se tivesse que implorar por amor, sempre com a sensação de viver em uma corda bamba? Caso você tenha respondido “Sim” para uma dessas perguntas, então é bem provável que esteja vivendo uma codependência emocional.

As cenas do relacionamento de Gabi Martins e Guilherme Napolitano durante o BBB20 chamaram atenção do público e levantaram temas importantes sobre relacionamentos tóxicos e a dissonância entre sujeição emocional e amor.

A escritora e neurolinguista Bruna Stamato explica que a Codependência é considerada uma desordem psíquica, que gera uma série de transtornos emocionais em decorrência do medo excessivo de perder o parceiro, e, por julgar que a sua vida depende da permanência do outro. O que resulta na inabilidade em manter um relacionamento sadio.

Todos nós conhecemos alguém muito ciumento, inseguro e “estressadinho”, mas o que torna alguém codependente emocional é a excesso de todas essas características juntas. Bruna, autora dos livros “Nunca quis um Marido, Sempre quis um Companheiro” e “Você Merece um Amor Bom”, também explicou como identificar – e se livrar – de um relacionamento que está vivendo esse pesadelo sutil.

5 sinais de que você está em uma codependência emocional

Cuidado excessivo com o parceiro

O que se torna uma necessidade compulsiva em “ajudar” o outro e se antecipar aos seus problemas, querendo resolver de qualquer modo, mesmo que o outro diga que não há necessidade, e desta forma gerando uma anulação pela própria vida. Essa anulação própria implica em baixa autoestima, onde a pessoa começa a se culpar por tudo, a se julgar sempre inferior ao parceiro gerando assim cobrança exagerada de atenção e carinho o tempo todo.

Repressão das emoções

O codependente passa a reprimir seus impulsos, vontades e opiniões de tal forma que com o tempo pode ocorrer uma espécie de despersonalização, onde há uma ruptura da própria personalidade e incorpora-se algumas características da personalidade do parceiro, algo que se admire, uma forma de falar ou até o jeito de se vestir e gesticular.

Controle compulsivo

Cria-se uma necessidade de sentir-se no controle da relação. Por exemplo, cronometrando o tempo de resposta em uma conversa online ou até o tempo que o parceiro demora de um trajeto a outro.

Ciúme doentio

Proveniente da enorme insegurança e da certeza de que será abandonado ou traído, a pessoa cria um roteiro totalmente fantasioso na mente, e sem nem conversar ou pedir justificativas, acredita totalmente no que a mente inventou.

Chantagem emocional

A tentativa de reversão da culpa acaba se tornando prática comum dos que sofrem com a codependência emocional. Para manter o parceiro ao seu lado, o codependente é capaz de chantagear, manipular e até mesmo usar o sexo como moeda de troca para “prender” o parceiro e conseguir o que quer.

Diferença entre relacionamento tóxico e codependência emocional

A diferença se dá porque dependência emocional é um transtorno, qual na maioria das vezes a pessoa nem sequer sabe que sofre disso, e, por tanto não sabe a proporção do mal que está causando ao parceiro. Já em um relacionamento abusivo, o abusador sabe muito bem o que está fazendo e sente prazer nisso.

Sabemos que todo relacionamento afetivo tem suas desavenças e que discussões muitas vezes são para aprendizados, mas não podemos achar que brigas rotineiras acompanhadas de ciúmes e medo irracional de perder o parceiro sejam normais. Amor não rima com dor! Se está doendo, é porque tem alguma coisa errada“, finaliza Bruna.

Leia também: