ESTILO DE VIDA

Cleptomania: conheça os detalhes do distúrbio

Distúrbio causa vontade impulsiva de rouabar. Saiba mais sobre a cleptomania e entenda o que acontece com os indivíduos acometidos pelo problema

None
Foto: Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 20/12/2016 às 12:44
Atualizado às 16:23

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

As regiões e circuitos cerebrais envolvidos na cleptomania ainda não são bem delimitados assim como acontece no Transtorno Obsessivo-Compulsivo. Contudo, pesquisas indicam afirmações sobre a deficiência na molécula que transporta, de um neurônio a outro, o neurotransmissor serotonina. Essa falha no transporte ocasiona danos nos circuitos entre o lobo orbital e frontal do cérebro, ou uma diminuição de fluxo sanguíneo para o lóbulo temporal. “Outra informação é que haja diminuição do elemento branco – axônios e dendritos – no lóbulo frontal. Isso provavelmente alteraria a movimentação de informações entre essa região e o sistema límbico, que controla o humor, emoções e vontades”.

Cleptomania: conheça os detalhes do distúrbio

Foto: Shutterstock.com

Caracterizando o transtorno

Segundo dados da Associação Psiquiátrica Americana, existem alguns itens que caracterizam a cleptomania. São eles:

  • Incapacidade rotineira para resistir aos impulsos de furtar objetos desnecessários ao uso pessoal ou por seu valor monetário;
  • Sensação crescente de tensão antes de cometer o furto;
  • Prazer ou alívio na hora de cometer a subtração;
  • A ação não é cometida para expressar ódio ou algum tipo de vingança. Além disso, também não é resposta a um delírio ou alucinação;
  • O furto não se deve ao transtorno de conduta ou ao transtorno de personalidade antissocial, popularmente conhecido como psicopatia.

Sensação de satisfação

No momento em que comete o furto, obtendo o objeto sem o consentimento alheio e de forma impulsiva, o cleptomaníaco apresenta sensações que o satisfazem. Este comportamento é acompanhado, habitualmente, de um estado de tensão crescente antes do ato e de um sentimento de satisfação durante e imediatamente após sua realização. “O roubo, condicionalmente, não é cometido para expressar ódio ou represália. O que se passa na mente do cleptomaníaco é uma compensação para aliviar suas tensões, ansiedade e episódios depressivos”, explica o psicanalista clínico Paulo Velasco. Dessa forma, de forma ilusória, o indivíduo se sente satisfeito.

LEIA TAMBÉM

Consultorias: Paulo Miguel Velasco, psicanalista clínico e professor de psicanálise; Rodrigo Pessanha, psiquiatra.

Texto e entrevistas: Jéssica Pirazza/Colaboradora – Edição: Augusto Biason/Colaborador