Número de casos de Alzheimer no Brasil poderá chegar a 1 milhão

A perspectiva é de que, em dez anos, o número de casos de Alzheimer no Brasil chegue a 1 milhão, devido ao aumento da expectativa de vida no país

None
Número de casos de Alzheimer no mundo já chega a 35 milhões. FOTO: Shutterstock Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 14/08/2017 às 07:00
Atualizado às 14:00

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Daqui há 10 anos, o Brasil terá uma população com mais de 60 anos de idade de quase 24 milhões. Em 2027, serão 2,4 milhões de idosos acima de 80 anos. O problema é que uma parcela bastante significativa dessas pessoas será propensa a desenvolver doenças crônicas, entre elas a doença de Alzheimer, conforme apontou um estudo da Academia Brasileira de Neurologia (ABN). Estima-se que o número de pessoas vítimas da doença ultrapasse o número de 1 milhão de casos.

A situação é preocupante, já que a patologia envolve o doente e a sua família – geralmente seus cuidadores. Além disso, em termos de saúde pública, uma maior incidência da enfermidade provoca maiores preocupações em termos de bem-estar social e de qualidade de vida. “Esse contingente deverá gerar um significativo impacto econômico e social”, alerta o geriatra Thiago Monaco.

Ainda existem dúvidas

Embora a divulgação de informações a respeito da doença tenha aumentado e melhorado muito nos últimos anos, ainda há, infelizmente, desconhecimento. Embora não exista cura para Alzheimer, os medicamentos atuais conseguem atrasar a progressão da doença, situação de extrema importância na medida em que melhoram os sintomas.

Estudos indicam que idosos que ocupam o seu tempo com atividades intelectuais ou que mantêm uma interação social mais ativa estão menos propensos a sofrer do distúrbio. Essas atividades podem se resumir desde uma simples caminhada, já que o exercício físico também é importante nessa fase da vida, até a participação em associações de idosos e trabalhos comunitários, ou, simplesmente, o bate-papo com os amigos e, até mesmo, uma simples palavra-cruzada.

Estimular o idoso a desenvolver atividades que envolvam o raciocínio é uma forma eficaz de prevenir o surgimento da doença, já que ela atinge primariamente o cérebro. FOTO: Shutterstock Images

Reconhecendo o Alzheimer

Existem alguns sintomas que podem ajudar a identificar se uma pessoa está com princípio de Alzheimer. Os dez principais são os problemas de memória, que afetam as diversas atividades diárias do idoso, a dificuldade para realizar tarefas comuns como lavar uma louça ou varrer a casa, dificuldade para se comunicar, perda de noção do tempo e espaço, diminuição do senso crítico e de julgamento, dificuldade para raciocinar, trocar as coisas de lugar sem motivo aparente ou pertinente, mudanças de humor e comportamento constantes, mudança de personalidade e a perda de inciativa para fazer as coisas.

Texto: Redação Alto Astral | Consultoria: Thiago Monaco, geriatra e professor de Geriatria na Faculdade de Medicina da Universidade Nove de Julho (Uninove)

LEIA TAMBÉM

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.