ESTILO DE VIDA

Caso real: confira o depoimento de quem passou por cirurgias espirituais!

Adepta do Espiritismo, Vanda passou por duas cirurgias espirituais e conta toda a experiência em seu depoimento. Confira!

None
Foto: Reprodução/Pixabay

por Redação Alto Astral
Publicado em 09/01/2017 às 08:22
Atualizado às 16:50

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Vanda Ferraz, 54 anos, é autônoma, adepta do Espiritismo e já passou por duas cirurgias espirituais: a primeira na região do estômago (ela não soube precisar o ano) e a segunda (1998) para o tratamento de uma bursite (inflamação da bursa, estrutura que envolve e protege as articulações) no ombro. Confira o seu depoimento sobre os procedimentos!

A opção

“Eu estava há cinco anos fazendo o tratamento tradicional para a bursite e não via resultados. Já tinha passado por vários procedimentos disponíveis na época, como fisioterapia e medicação. Eu estava tomando o mesmo medicamento há bastante tempo e não estava mais me sentindo bem com tanto remédio.

Como sou espírita, um dia eu estava no grupo de oração, e uma das pessoas presentes me perguntou se eu estava sentindo muita dor. Respondi que sim e contei meu problema a ela. Então, procurei a cirurgia como uma forma de tratamento, de cura mesmo. Comecei a frequentar o centro e, um dia, fizeram a cirurgia no meu braço.”

mulher maos depoimento

O depoimento de Vanda se trata de uma experiência real (Foto: Reprodução/Pixabay)

O dia da operação

“No caso da bursite, um grupo de pessoas me pediu para que eu ficasse em oração e mentalizasse Jesus Cristo. Acabei entrando em um estado como se estivesse dormindo ou parecido com isso.  Quando voltei ao normal, me sentia bem, como se não tivesse acontecido nada. Me ofereceram um copo d’água depois e me liberaram para ir para casa. Até hoje, nunca mais tomei nenhum medicamento”.

“Em relação à cirurgia do estômago, ela aconteceu às oito horas da noite. Essa também exigia uma preparação: ficar sem comer carne por dois dias, fazer uma dieta leve e sem exageros. Depois, me deitei em uma cama com o lençol branco. Eu senti que alguém estava mexendo no meu corpo, mas parecia que eu estava sonhando ou dormindo. Quando acordei, não senti nada”.

Pós-operatório

Não teve corte ou algo parecido. No caso da cirurgia do estômago, senti como se tivessem apertado, uma sensibilidade no local da cirurgia. Além disso, depois do procedimento, eu não senti nada fora do normal. Não tive dor. Eles só pedem para que a pessoa operada faça uma dieta leve e não faça muito esforço, a fim de manter o corpo leve”.

LEIA TAMBÉM

Entrevista: Thiago Koguchi | Edição: Érika Alfaro