Calvície feminina: entenda mais sobre o transtorno

A calvície feminina é um problema que perturba a algumas mulheres no mundo inteiro, descubra as causas e tratamentos para o mal

None
A calvície feminina é um mal que, além de hereditário, pode ser causado por maus hábitos. FOTO: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 10/08/2017 às 17:00
Atualizado às 14:00

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A forma mais comum da calvície se manifestar em mulheres é a do tipo alopécia androgênica, que consiste na queda de cabelo de origem genética manifestada pela ação de androgênios (hormonas masculinas) nos folículos capilares do couro cabeludo. Apesar de ser o fator genético o mais dominante, existem outros problemas que contribuem para a calvíciefeminina, como enumera a médica de clínica geral, Dra. Fátima Garcês: “o consumo de determinados medicamentos, o uso contínuo de produtos químicos agressivos, o uso excessivo de secadores de cabelo, algumas doenças crônicas, micro organismos presentes no couro cabeludo, nutrição deficiente, alguns desequilíbrios hormonais, e um estilo de vida que sobrecarregue o estado emocional e físico”.

Calvície feminina

O cabelo é o espelho da individualidade e da saúde, mais ainda no caso da mulher em que é valorizado como característica da beleza e da autoestima feminina. Por isso, a calvície feminina acarreta consequências emocionais e psicológicas fortes, provocando sentimentos de angústia e ansiedade, além da diminuição da autoestima, muitas vezes, refletida nas suas relações sociais. Apesar de estudos recentes terem detectado um nível de calvície avançada em 33% dos casos, dificilmente a mulher fica completamente careca, mas existem casos raros aliados a uma idade avançada. “A perda de cabelo na mulher é lenta e pode não ocorrer segundo o padrão feminino de calvície reconhecível como um enfraquecimento difuso no topo da cabeça”, esclarece a Dra. Fátima, referindo ainda que prevenção do problema passa pelo diagnóstico e tratamento atempado da dermatite seborreica, pela evicção do “coçar” o couro cabeludo, do calor intenso provocado pelas chapinhas de alisamento do cabelo, do trauma químico (má utilização de defrisantes/descolorantes), de exposição a raios UV.

Muitas mulheres sentem vergonha da perda excessiva de cabelo.

Muitas mulheres sentem vergonha da perda excessiva de cabelo. FOTO: Shutterstock

Tratamentos

O tratamento da calvície deve iniciar-se a combater a sua causa. O transplante de unidades foliculares (fios naturais) é um método inovador que segundo a profissional Fátima Garcês, “consiste na extração e recolocação individual dos folículos capilares sem recorrer a quaisquer cortes de pele, permitindo o transplante com um, dois, três ou mais fios de cabelos”. Outra possibilidade de tratamento é o implante de fibras biologicamente compatíveis. “A técnica consiste no implante, unidade a unidade, na zona calva do couro cabeludo, de fibras flexíveis e resistentes à tração, que proporcionam um resultado completamente natural e imediato”, conclui a clínica. As duas formas não eliminam o problema, mas minimizam, deixando a aparência natural.

Verdade e mentira

O cabelo não cai se:

*Usar chapéu, gorro ou capacete
*Lavar o cabelo todos os dias
*Lavar pouco os fios
*Secar mal o cabelo

Algumas verdades:

*A calvície é hereditária
*Usar shampoo anticaspa sem necessidade pode prejudicar o crescimento e a saúde dos fios
*O stress pode provocar quedas de cabelo
*A febre e determinados medicamentos, se ingeridos frequentemente, favorecem a queda
*O cabelo cresce mais depressa durante o verão e cai mais no período do outono

Texto: Redação Alto Astral | Consultoria: Dra. Fátima Garcês, médica de clínica geral

LEIA TAMBÉM:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.