Burnout: distúrbio possui sintomas depressivos e ansiosos

A síndrome de burnout causa uma queda na produção dos neurotransmissores, acarretando em sintomas ligados tanto à depressão como à ansiedade

None
Foto: PureStockX

por Redação Alto Astral
Publicado em 02/01/2017 às 09:56
Atualizado às 13:00

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Apesar de não aparecer no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), principal guia internacional de distúrbios mentais, a síndrome de burnout carrega sintomas tanto de um quadro depressivo como de um quadro de ansiedade, segundo a psiquiatra Emanuella Novello Halabi. “Contudo, ele pode ser identificado até mesmo com certa facilidade, pois o comportamento do indivíduo se altera de muitas formas e de maneira bastante expressiva”, analisa.

Burnout: distúrbio possui sintomas depressivos e ansiosos

Foto: PureStockX

Entre essas alterações comportamentais, encontram-se atitudes profissionais negativas, como redução da produtividade e constantes ausências, irritabilidade e indiferença de forma ampla com o ambiente de trabalho.

“Isso tudo acarreta intensamente em sua vida como um todo, pois o indivíduo passa a indicar alterações bruscas de humor, agressividade, dificuldade de concentração e memória, ansiedade, depressão, pessimismo e distanciamento afetivo”, aponta a profissional.

Além disso, sinais físicos, como fadiga, distúrbios do sono, dores musculares e de cabeça, falta de apetite, aumento da pressão arterial e alterações gastrointestinais e metabólicas, também são marcantes.

O psicólogo Davi Ruivo observa que tais manifestações podem desencadear alguns problemas secundários devido à busca por alívio. “Em determinados casos há a busca no uso de bebidas o que pode levar ao alcoolismo, ao uso de drogas e até mesmo ao suicídio”, alerta.

No cérebro

Apesar de a causa da síndrome de burnout estar relacionada com o trabalho, todas as manifestações do distúrbio têm início no órgão mais complexo do corpo humano. Nosso cérebro tem a dinâmica de sinapses e interações químicas, sendo estas compostas por hormônios e neurotransmissores, como o cortisol – comumente conhecido como o hormônio do estresse e um dos grandes responsáveis pela preparação do organismo para os enfrentamentos dos desafios do cotidiano.

“Quando o ‘cansaço’ ocorre, há a queda da produção destas substâncias e, por consequência, surgem desânimo, desatenção, dispersão, esquecimentos, pensamentos mais vagarosos, alteração no sono, alta irritabilidade e exaustão”, descreve Davi.

LEIA TAMBÉM

Consultorias: Davi Rodriguez Ruivo Fernandes, psicólogo da clínica Elabore – Psicologia & Saúde, em Santo André (SP); Emanuella Novello Halabi, psiquiatra.

Texto e entrevistas: Augusto Biason/Colaborador

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.