A música pode ajudar no tratamento de vários transtornos. Saiba mais!

Seja qual for o estilo, ouvir uma música pode ser bastante prazeroso, mas você sabia que a prática também traz benefícios em diferentes tratamentos?

None
Foto: Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 06/03/2017 às 09:08
Atualizado às 13:33

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

As intervenções utilizando música podem ser realizadas em diversos locais, em grupos ou individuais. “Em musicoterapia, existem muitos trabalhos nas mais diversas áreas (oncológica, pediátrica, pós-cirúrgica, traumas, entre outras). Em clínicas, podem ser atendidas pessoas com as doenças de Alzheimer e Parkinson, Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), Síndrome de Down, Transtorno do Espectro Autista e depressão”, exemplifica o musicoterapeuta David Maldonado.

O doutor em fisiologia geral Felipe Viegas exalta esse potencial de atingir diversas capacidades, já que a música “ativa circuitos neurais por praticamente todo o nosso cérebro, funcionando como um poderoso estimulador da função cerebral”. Para participar desses tratamentos, não existe restrição de idade; eles podem ser aplicados em crianças até idosos.

mulher deitada ouvindo musica

Foto: Shutterstock.com

O paciente não precisa saber tocar um instrumento ou ter conhecimento musical; basta estar aberto para o processo, que irá conduzi-lo a encontrar a própria musicalidade. Além da saúde, a musicoterapia pode ser utilizada em contextos escolares, governamentais, em empresas, assistência social e muitos outros.

Segundo Felipe, se houver o uso da maneira adequada, as melodias serão extremamente importantes nos tratamentos. “Associada a técnicas terapêuticas corretas, a música pode ser um dos melhores aliados já encontrados”, conclui.

O importante é ouvir música

Quando o assunto é música, sempre se cai na questão de qualidade e de gosto. Para o neurologista Mauro Muszkat, é necessário repensar esta atitude. “Tudo isso é uma questão de gradação. Precisamos sair dessa questão de que ouvir é um prazer ou um desprazer. Isso é uma questão cultural de hábito, de se colocar diante da música com uma postura mais aberta, de vê-la como uma linguagem mais ampla”, afirma.

Para que a música realmente traga o máximo de benefícios, é essencial que a pessoa tenha acesso a ela e crie o maior repertório possível, a fim de que ela se torne uma experiência para a vida. “A experiência musical como um todo envolve uma linguagem, que envolve um vocabulário”, aconselha o neurologista.

LEIA TAMBÉM

Texto e entrevistas: Thiago Koguchi – Edição: Giovane Rocha/Colaborador

Consultorias: David Martins de Almeida Maldonado, musicoterapeuta da clínica Musiclin, em São Carlos (SP), e especialista em neuropediatria; Felipe Viegas Rodrigues, doutor em fisiologia geral pela Universidade de São Paulo; Mauro Muszkat, neurologista

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.