Dia de combate ao AVC: doença é a principal causa de morte no Brasil

Segundo a OMS, mais de 16 milhões de pessoas sofrem AVC por ano no mundo. Só no Brasil, as mortes chegam a 100 mil. Confira algumas dicas de como evitar

None
Foto iStock.com/Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 28/10/2016 às 10:15
Atualizado às 11:51

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Apesar de o Acidente Vascular Cerebral (AVC) não ser uma doença neurodegenerativa, ele também causa preocupação, principalmente pela quantidade de casos e mortes em decorrência do quadro. De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), 16 milhões de pessoas sofrem AVC todos os anos no mundo e, desse total, seis milhões morrem. No Brasil, a doença é, ao lado de outras doenças cerebrovasculares, a causa mais frequente de óbito – em 2013, por exemplo, mais de 100 mil brasileiros morreram devido a ela.

AVC é a principal causa de morte no Brasil. Veja como evitar

Foto iStock.com/Getty Images

A neurologista Fernanda Leal Suzano afirma que “o acidente vascular cerebral é definido pelo aparecimento súbito de sintomas e/ou sinais causados por perda da função cerebral focal, originadas por alterações de circulação sanguínea no órgão”. Segundo a profissional, o quadro pode ser dividido em duas categorias. O primeiro é o AVC isquêmico, que ocorre pela obstrução do fluxo sanguíneo arterial. Já o segundo é chamado de AVC hemorrágico e origina-se pela ruptura de um vaso.

Entre os principais fatores de risco para a doença popularmente conhecida como derrame, estão o tabagismo, o uso de anticoncepcionais, o consumo excessivo de bebidas alcoólicas, a obesidade e a hipertensão arterial.

Como evitar um AVC?

Diferente de outros quadros de patologias cerebrais, há a possibilidade de se prevenir um derrame. Na verdade, especialistas apontam que é mais fácil evitar do que tratar uma situação assim. Por isso, algumas dicas básicas são essenciais nesse processo:

• Caso tenha pressão alta, faça o tratamento de maneira adequada;

• Evite o sedentarismo. As atividades físicas ajudam a reduzir a pressão sanguínea e a controlar outros quadros, como diabetes e colesterol, que podem favorecer o surgimento do acidente vascular

LEIA TAMBÉM

Consultorias: Fernanda Leal Suzano, neurologista no Hospital Estadual de Urgência e Emergência de Vitória (ES); Vanessa Muller, neurologista e diretora médica na VTM Neurodiagnóstico, no Rio de Janeiro (RJ).

Texto: Vitor Manfio/Colaborador – Entrevistas: Victor Santos – Edição: Augusto Biason/Colaborador

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.