ESTILO DE VIDA

AVC: quais as diferenças entre isquêmico e hemorrágico?

Muitas pessoas são pegas de surpresa ao sofrerem um Acidente Vascular Cerebral (AVC), que pode dar-se de duas maneiras: o isquêmico e o hemorrágico.

None
Foto: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 15/12/2016 às 13:05
Atualizado às 16:04

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Muitas pessoas são pegas de surpresa ao sofrerem um Acidente Vascular Cerebral (AVC), porém, o que elas não sabem é que a tal doença não se desenvolve da noite para o dia. Isto é, certos fatores, como hipertensão, doenças cardiovasculares e tabagismo aumentam o risco de se ter um derrame cerebral, que pode dar-se de duas maneiras: o isquêmico e o hemorrágico. Dessa forma, é importante entender a diferença entre os dois, o que pode auxiliar na identificação dos sintomas e na forma de atendimento.

homem cabeca dor avc deitado mesa

Foto: Shutterstock

AVC Isquêmico (AVCI)

Esse tipo de AVC pode ser causado por embolia ou trombose arterial, quando há a formação de um coágulo no cérebro. “O acúmulo de sangue causa o entupimento da artéria na região cerebral, provocando lesão desse tecido e alterações nas funções neurológicas”, explica a neurologista Carla Jevoux.

As sequelas podem ser leves e passageiras ou graves e incapacitantes, pois o sangue é o responsável por carregar oxigênio e nutrientes pelo corpo e, quando isso é prejudicado, pode levar à morte dos neurônios em poucas horas. Os sintomas podem ser fraqueza ou dormência em apenas um lado do corpo, dificuldade para falar, entender as coisas, para engolir, andar e enxergar, além da perda da força da musculatura do rosto, deixando a pessoa com a boca torta.

Esses sinais podem aparecer de forma súbita, separados ou em conjunto. Já o tratamento para desobstruir a artéria pode ser através de medicamento trombolítico, que dissolve o coágulo, ou pelo uso de cateteres.

mulher dor cabeca mao testa

Foto: Shutterstock

AVC Hemorrágico (AVCH)

É causado pela ruptura espontânea de um vaso sanguíneo, com extravasamento de sangue para o interior do tecido ou do tronco cerebral e, algumas vezes, esse sangue é drenado para dentro dos ventrículos (hemorragia intraventricular). “As causas mais frequentes de AVC hemorrágico são por doenças que causam aumento descontrolado da pressão. Isso provoca a ruptura da parede do vaso sanguíneo e o extravasamento de sangue pode ocasionar hematomas intracerebrais que necessitam de tratamento neurocirúrgico de urgência, visando à descompressão do cérebro que se encontra em sofrimento, pressionado pelo volume sanguíneo contra a estrutura óssea do crânio”, explica o neurologista Eduardo Barreto.

Outro fator que deve ser levado em consideração são as doenças congênitas, principalmente os casos de incidência de aneurismas. “As pessoas que têm história de morte súbita de parentes relativamente jovens devem ser avaliadas em relação à possibilidade de terem algum tipo de má formação cerebral, que são responsáveis por grande número de mortes”, completa o neurologista.

Os sintomas podem ser dores fortes de cabeça ou no pescoço, rigidez na nuca e alterações visuais com a aparição de pontos luminosos que devem ser avaliados por um profissional. O diagnóstico deve ser clínico e os exames complementares (como tomografia computadorizada e ressonância magnética) orientam quanto a melhor forma de tratamento.

Texto Redação Alto Astral

Consultoria Carla Jevoux e Eduardo Barreto, neurologistas

LEIA TAMBÉM: