Autossabotagem: como resolver esse problema

Identificar a autossabotagem é o primeiro passo. Feito isso, saiba como agir para resolver o problema do boicote a si mesmo

None
FOTO: iStock.com/Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 03/10/2016 às 15:22
Atualizado às 08:50

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Uma prova que deixou de se inscrever por não se sentir capaz de prestá-la ou mesmo criar desculpas para não aceitar uma vaga de emprego melhor são algumas atitudes bem comuns da autossabotagem. Você tem lidado com esse problema frequentemente? Calma: é possível resolver isso, mas depende principalmente de uma consciência maior das próprias qualidades.

Autossabotagem: como resolver esse problema

FOTO: iStock.com/Getty Images

Possível solução para a autossabotagem

Para ter consciência sobre a autossabotagem, é necessário fazer uma reflexão sobre ser digno dos sonhos que busca realizar. Segundo o psicólogo, “quanto menos merecedor se sentir, maior a distância dos objetivos. Quanto mais distante, mais reclamará e se ressentirá, ou seja, invalidará seus potenciais e talentos”. E as consequências disso podem ser desastrosas porque, aos poucos, a pessoa irá se desconectar de suas habilidades, capazes de conduzi-la até a concretização dos planos.

Borba esclarece que é preciso fazer uma análise verdadeira e honesta. “Anote todos os pensamentos que surgirem, sem julgamentos. Deixe sua mente fluir livremente. Depois, relembre momentos no passado em que você realmente se sabotou. É preciso muita coragem para se enfrentar e se transformar. Mudar envolve ousar, e toda ousadia ajuda a sair da velha zona de conforto”, ressalta.

Outra opção é imaginar o cérebro como um sistema de recompensa. Assim, ao racionalizar sobre suas atitudes e alcançar seus objetivos, neurotransmissores responsáveis por proporcionar prazer e felicidade são ativados. Dessa forma, reprogramar o pensamento, para utilizar as experiências positivas adquiridas durante toda a vida em benefício próprio, costuma ser uma ótima saída.

LEIA TAMBÉM:

Texto: Érica Aguiar – Edição: Victor Santos
Consultoria: João Alexandre Borba, psicólogo clínico e master coach do Instituto Internacional Japonês de Coaching.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.