Conheça as psicoterapias mais indicadas para crianças com autismo

A psicoterapia é um dos recursos mais recomendados em casos de tratamento do autismo. Saiba como esse recurso pode ser eficaz

None
Foto: Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 24/07/2017 às 10:15
Atualizado às 10:15

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Sendo o universo do autista algo tão particular, o auxílio de um psicólogo é muito bem-vindo, pois esse tipo de profissional dispõe de ferramentas próprias para lidar com casos de TEA (Transtorno do Espectro Autista). A abordagem nas terapias em quadros de autismo pode seguir diferentes conceitos: “Existem três práticas baseadas em evidências, ou seja, são intervenções que têm a eficácia comprovada por pesquisas”, segundo Larissa Helena Zani Santos de Carvalho, psicóloga e mestre em educação especial. São elas:

  • ABA (análise do comportamento aplicada);
  • PECS (comunicação por trocas de figuras);
  • TEACCH (Tratamento e Educação de Crianças Autistas e Atrasos na Comunicação).

Primeiro, deve ser feita uma avaliação do paciente, para analisar seu repertório e suas limitações. A linha de trabalho ABA determina comportamentos que devem ser ensinados nas áreas de comunicação, habilidades sociais e acadêmicas, autocuidados e coordenação motora.

Já o PECS, segundo Larissa, “permite à pessoa autista que ainda não desenvolveu ou apresenta alterações na fala aprender uma comunicação funcional através de figuras. No início, ela irá aprender a trocar figuras para pedir coisas e, depois, aprender a comentar sobre tudo o que acontece na sua vida”. Na galeria abaixo, confira exemplos de PECS para utilizar na rotina da criança:

O TEACH, por sua vez, promove uma série de adaptações no ambiente em que o autista está inserido, ensinando-lhe diferentes habilidades.

Desde que tenham condições para tanto, os familiares também têm muito a ganhar passando por um acompanhamento psicológico. O quadro de autismo impacta emocionalmente, e de forma intensa, as pessoas ao redor da criança – sobretudo os pais, que podem demorar a aceitar o fato de seu filho ter necessidades especiais.

LEIA TAMBÉM

Texto: Érica Aguiar e Marcelo Ricciardi/Colaborador – Edição: Giovane Rocha

Entrevista: Érica Aguiar e Natália Negretti/Colaboradora – Consultoria: Larissa Helena Zani Santos de Carvalho, psicóloga, mestre em educação especial e docente em psicologia na Universidade do Sagrado Coração (USC), em Bauru (SP)

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.