ESTILO DE VIDA

Aspirina ajuda a reduzir o risco de infarto

A aspirina já é um medicamento conhecido por muitas pessoas, mas uma nova pesquisa sugere que ela seja capaz de prevenir infarto e outras doenças

None
FOTO: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 06/09/2016 às 19:50
Atualizado às 20:58

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

É bem provável que você já tenha tomado aspirina para combater algum incômodo, certo? O que talvez não saiba é que esse remédio é responsável por outro efeito no corpo: prevenir infarto, doença vascular periférica ou acidente vascular cerebral (AVC).

A aspirina é capaz de prevenir infarto

FOTO: Shutterstock

Mas, antes de você se descontrolar e ingerir várias aspirinas sem moderação, é importante lembrar que o excesso pode causar problemas gastrointestinais. Então, o ideal é seguir o que sugere uma nova pesquisa feita por especialistas brasileiros, que afirma que tomar aspirina a cada três dias pode ser eficiente na prevenção dessas doenças e, de quebra, evita as complicações gastrointestinais.

SAIBA MAIS:

5 sucos de uva para proteger a saúde do seu coração

4 alimentos poderosos para controlar o colesterol

Doenças do coração matam quase o dobro de pessoas que o câncer

Mas, afinal, porque a aspirina combate infartos e outras doenças?

É que ela evita que as plaquetas se agrupem e obstruam os vasos sanguíneos – por isso, inclusive, que popularmente se diz que a aspirina “afina” o sangue. Para descobrir isso, foram divididos em dois grupos 24 voluntários sadios. Metade deles recebeu aspirinas todos os dias por um mês, enquanto os demais receberam o medicamento a cada três dias e, no intervalo, apenas placebo. Ao longo do estudo, as pessoas passaram por exames variados, como endoscopia e teste de agregação plaquetária, constatando os efeitos positivos da aspirina.

No entanto, o médico deve ser consultado para liberar o uso de medicamento, bem como indicar a dosagem correta!

Fonte: Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP).