Anticoncepcionais podem causar trombose? Esclarecemos essa questão!

A pílula anticoncepcionais são consumidas por mulheres das mais variadas idades, e sua relação com a trombose leva em consideração a predisposição da pessoa

None
FOTO: Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 19/08/2016 às 17:47
Atualizado às 11:30

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

O risco de pílulas anticoncepcionais provocarem trombose (formação de coágulo sanguíneo em uma veia do corpo) é um tema comumente discutido pela medicina, que também leva em consideração o fato da mulher ter ou não outros fatores de risco para a doença.

“As pílulas anticoncepcionais em sua totalidade, independente do fabricante, podem aumentar o risco de trombose, dependendo da predisposição da mulher, ou seja, se ela é obesa, tem histórico familiar ou é fumante”, afirma Thiago Mattar Cunha, professor doutor do Departamento de Farmacologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) de Ribeirão Preto (FMRP).

anticoncepcionais trombose menina cartela remédio

FOTO: Shutterstock.com

Os anticoncepcionais são amplamente utilizados por mulheres das mais variadas idades como forma de prevenir a gravidez e por questões hormonais. Ainda que o medicamento seja vendido sem receita, para que cada pessoa saiba qual é o mais indicado para o seu organismo – e até mesmo para evitar complicações causadas pelo remédio-, a orientação médica é imprescindível.

Apesar das diversas questões que envolvem a pílula, de acordo com a farmacêutica Sarah Bastos Vieira Faria, em geral, o uso desse medicamento é seguro. “Os anticoncepcionais com formulações mais novas apresentam um risco maior do que os mais antigos, apesar desse risco ainda ser pequeno”, ressalta.

SAIBA MAIS

Cuidados que devem ser tomados com o anticoncepcional

Guia da pílula: tire suas dúvidas sobre o anticoncepcional

Texto: Ana Beatriz Garcia Edição: Érika Alfaro Consultoria: Thiago Mattar Cunha, professor doutor do Departamento de Farmacologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) de Ribeirão Preto (FMRP) e Sarah Bastos Vieira Faria, farmacêutica

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.